Geral
publicado em 26/01/2012 às 08h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: G.L. Kohuth/MSU
Carlos David Navarrete e Melissa McDonald, pesquisadores envolvidos na pesquisa
  « Anterior
Próxima »  
Carlos David Navarrete e Melissa McDonald, pesquisadores envolvidos na pesquisa

O preconceito possui uma natureza fundamentalmente diferente entre os homens e as mulheres É o que sugere uma pesquisa de cientistas da Michigan State University, nos Estados Unidos.

Os resultados ressaltam que o preconceito contra pessoas de diferentes grupos está ligado à agressão para os homens e ao medo para as mulheres.

Ao longo da história, os homens têm sido agressores primários contra diferentes grupos, bem como as principais vítimas de agressões realizadas por grupos discriminatórios. "Há evidências que remontam a milhares de anos mostrando homens se unindo e atacando outros grupos de homens, matando-os e mantendo as mulheres como presentes de guerra", observa o pesquisador Carlos David Navarrete.

Como exemplos modernos, Navarrete observou as guerras na África Central e nos Balcãs, que foram marcadas por estupro e genocídio.

A equipe analisou a literatura acadêmica atual sobre guerra e conflito e descobriu que a teoria da ciência social padrão não explica as diferenças sexuais no comportamento agressivo ou discriminatório entre os grupos. Eles ofereceram uma nova teoria que integra a psicologia, a ecologia e a biologia evolutiva.

A "hipótese do guerreiro masculino" criada pelos pesquisadores explica como a evolução do conflito entre grupos pode ter servido de cenário para a seleção natural e para moldar as psicologias sociais e os comportamentos de homens e mulheres de formas fundamentalmente distintas.

Essencialmente, os homens são mais propensos a iniciar guerras e defender seu próprio grupo, às vezes de formas muito arriscadas e sacrificantes. Atacar outros grupos representa uma oportunidade de compensar estes custos por meio de acesso a mulheres, território, recursos e status.

Os autores complementam estes achados com os resultados de experimentos de laboratório que mostram que os homens são mais preconceituosos em relação a outros grupos.

As mulheres, entretanto, vivem sob a ameaça de coação sexual por agressores estrangeiros, e são capazes de exibir uma "resposta calma e amigável" para com os membros do seu próprio grupo, mantendo um medo de estranhos, a fim de proteger a si e sua prole.

"Embora essas respostas específicas do sexo podem ter sido adaptativas em tempos ancestrais, elas têm perdido este valor adaptativo na sociedade moderna e, agora, agem apenas para perpetuar desnecessariamente a discriminação e o conflito entre grupos", observa a coautora Melissa McDonald.

Navarrete acrescentou que o comportamento é visto no parente mais próximo dos humanos, os chimpanzés. "Assim como os humanos, eles atacam e matam os machos de outros grupos. Eles também atacam as fêmeas, não a ponto de matá-las, mas mais para levá-las a se juntar ao grupo", conta o pesquisador.

Segundo Navarrete, uma vez que os comportamentos são comuns entre os seres humanos e chimpanzés, é provável que tenham existido no nosso ancestral comum milhões de anos atrás. "Isso teria fornecido muito tempo para o funcionamento de nossas mentes ter sido modelado por essas realidades cruéis. Lidar com essa história e como ela ainda nos afeta nos tempos modernos pode ser um passo importante para melhorar os problemas causados por nossas predisposições para a discriminação e o preconceito", conclui.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Preconceito    Discriminação    Agressão    Medo    Carlos David Navarrete    Michigan State University   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Preconceito    discriminação    agressão    medo    Carlos David Navarrete    Michigan State University   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.