Saúde Pública
publicado em 12/01/2012 às 08h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Os dados divulgados esta semana na pesquisa " Estado no Brasil: federação, suas unidades e municipalidades" , do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), foram contestados pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp). Ao analisar a atuação do Estado na área da saúde, o Ipea divulgou a existência de 600.399 médicos atendendo pela rede pública. Mas, de acordo com nota de esclarecimento divulgada pelo Cremesp, " os dados, supostamente baseados no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), não são compatíveis com a realidade" .

Pela pesquisa do Ipea, a média de médicos por mil habitantes que atendem no SUS é 3,1 nas regiões Norte e Nordeste, 1,9 no Sul e 2,4 no Sudeste. Segundo a pesquisa os dados permitem concluir que os profissionais mais bem qualificados estão concentrados nas regiões mais desenvolvidas economicamente.

Entretanto, a pesquisa " Demografia Médica: Dados gerais e descrições de desigualdades" , lançada em dezembro pelo CFM e pelo Cremesp, confirma que, em 2011, o Brasil contava com 371.788 médicos em atividade, dos quais parcela considerável não mantém vínculos com o setor público.

Outro estudo, a pesquisa Assistência Médico Sanitária do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE/2009), indica que o Brasil conta com 281.481 postos de trabalho médico no SUS, sendo que o mesmo médico pode ocupar mais de um posto de trabalho no serviço público.

Embora, segundo a entidade paulista, os dados quantitativos e as taxas estejam equivocados, o levantamento do Ipea corrobora a pesquisa desenvolvida pelo CFM/Cremesp quanto à desigualdade regional na distribuição de médicos por habitantes. Além da desigualdade territorial, a população coberta por planos e seguros de saúde privados têm à sua disposição quatro vezes mais médicos do que os cidadãos que dependem exclusivamente do SUS, conforme demostra o levantamento realizado pelos dois conselhos.

O Cremesp destaca ainda que, apesar de não ser mencionado pelo Ipea, no Brasil há nítidos sinais de acirramento da desigualdade na distribuição de médicos, a favor do setor privado. Um exemplo é o aumento da concentração de postos de trabalho médico em estabelecimentos privados, em relação aos postos nos serviços públicos, considerando o tamanho das populações cobertas pelo SUS e pelos planos de saúde, conforme assinalado pela pesquisa Demografia Médica.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
pesquisa    estudo    "Estado no Brasil: federação    suas unidades e municipalidades"    Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada    Ipea    contestação    Conselho Federal de Medicina    CFM    Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo    Cremesp    médicos    distribuição    desigualdades    SUS    setor privado    nota de esclarecimento   
  • Leia mais
  • Leia mais notícias de Saúde Pública
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.