Ciência e Tecnologia
publicado em 22/11/2011 às 09h22:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Pesquisa com participação de cientistas do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP e da Universidade de York (Reino Unido) está investigando novos tipos de enzimas capazes de degradar biomassa para otimizar o processo de produção de bioenergia.

O estudo está concentrado em um produto parecido com o feno. A ideia é encontrar diferentes enzimas capazes de degradar biomassa para produzir combustível e energia elétrica em substituição às formas convencionais derivadas do petróleo.

Conhecendo a potencialidade destas enzimas e compreendendo o funcionamento delas, os pesquisadores trabalharam no desenvolvimento de uma tecnologia que permite uma marcação mais exata de enzimas que estão fora da célula. O segredo é explorar um mecanismo de afinidade proteica que não atravessa membranas biológicas e, por isso, apenas acessa e marca proteínas extracelulares.

" Com essa marcação, é possível purificar parcialmente enzimas, ou seja, enriquecer a concentração das enzimas naquilo que você está extraindo da biomassa, neste caso a lignocelulose (princípio do bioetanol) e a cultura microbiana, e sequenciar pequenos pedaços destas proteínas - o que chamamos de procedimento proteômico" , explica um dos coordenadores do estudo, Igor Polikarpov, do IFSC.

Comparando as informações genômicas com as informações proteômicas, é possível caracterizar cada enzima de acordo com as funções e encontrar com maior facilidade aquelas que se procura para sequenciar, sem precisar analisar um enorme conjunto de microrganismos, do qual 95% será inútil.

" Cerca de 25% do custo do biocombustível, hoje, é para o cultivo desta pequena quantidade de enzimas" , conta Polikarpov. Daí a importância de descobrir e identificar novas enzimas que degradem biomassa - mais termoestáveis, mais abundantes no Universo, mais eficientes - e contribuam para um maior entendimento deste processo, gerando novas atividades de pesquisa e aplicações industriais.

A pesquisa conta ainda com a participação de Eduardo Ribeiro de Azevedo, do IFSC, Sandro José de Souza, do Ludwig Institute for Cancer Research, e Wanius José Garcia da Silva, da Universidade Federal do ABC (UFABC), é complementada por uma proposta inglesa, liderada pelo professor Neil Bruce, da Universidade de York (Reino Unido).

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Enzima    Biomassa    Bioenergia    Energia elétrica    Combustível    Pesquisa    Instituto de Física de São Carlos    IFSC    USP    Universidade de York    Reino Unido   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
enzima    biomassa    bioenergia    energia elétrica    combustível    pesquisa    Instituto de Física de São Carlos    IFSC    USP    Universidade de York    Reino Unido   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.