Saúde Pública
publicado em 11/11/2011 às 13h35:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

A diretoria executiva do Conselho Federal de Medicina (CFM), acompanhada de representantes das entidades médicas locais, fez visita aos hospitais Doutor Ary Pinheiro (Hospital de Base) e pronto socorro João Paulo II, em Porto Velho, capital de Rondônia, para avaliar as condições da assistência pública em Saúde no estado. " Em fevereiro visitamos esses mesmos hospitais e, infelizmente, a situação piorou" , avaliou o presidente do CFM, Roberto Luiz D'Ávila, ao fim da visita.

Segundo ele, não houve mudança concreta, muito embora o diretor do Hospital de Base tenha dito que fez investimentos na parte física e que terá atendimento em parceria com Hospital do Câncer de Barretos. " Não vimos esses investimentos, o que vimos foi o mesmo caos que havia em fevereiro, aliás, pior" , ressaltou D'Ávila.

O vice-presidente do CFM, Carlos Vital, também demonstrou decepção diante do quadro classificado por ele como " desumano" encontrado, principalmente, no João Paulo II. " Permanece a situação, eu diria, inaceitável em termos de assistência à Saúde Pública. Há carência, não só de recursos humanos, mas de espaço físico e de materiais. Em síntese, não há como se compreender um atendimento de emergência naquelas circunstâncias. Permanece o status quo de incapacidade de atendimento de emergência" .

A vinda da executiva do CFM a Rondônia foi em atenção à solicitação do Conselho Regional de Medicina (Cremero). A expectativa, segundo informou a presidente da autarquia, Maria do Carmo Demasi Wanssa, é de que o governo reabra o diálogo com as entidades médicas em busca de uma solução prática para o problema da saúde. " A solução passa por um processo de determinação política" , destaca.

In loco

O presidente do CFM disse que tinha ouvido falar sobre o estado de guerra em que se encontra o hospital e pronto socorro João Paulo II, " mas nunca imaginei que estivesse tão ruim" . Além do odor de fezes, que se junta ao de urina e secreções, havia, no momento da visita dos médicos, um paciente morto ao lado dos doentes. " Cobriram o morto com lençol quando passamos. É um ambiente realmente de guerra, não se pode avaliar de outra maneira a total insensibilidade do poder público em permitir que as pessoas sejam tratadas daquela forma" .

A questão das Organizações Sociais (OS), segundo Roberto D'Ávila é um grande risco para o cidadão, porque pode haver melhora, mas vai depender muito de qual OS vai assumir a Saúde. " Muitas vezes usam-se as OSs como subterfúgio para o governo não se submeter mais à fiscalização e acaba-se com as licitações e concursos públicos, ou seja, pode ser prejudicial" .

Fonte: CFM
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Hospital Doutor Ary Pinheiro    Hospital de Base    Pronto Socorro João Paulo II    Porto Velho    Rondônia    assistência pública    falta de estrutura    situação precária    visita técnica    Conselho Federal de Medicina    CFM   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.