Ciência e Tecnologia
publicado em 07/11/2011 às 15h25:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Pesquisadores da Faculdade de Medicina e Odontologia da University of Alberta, no Canadá, descobriram que um ingrediente ativo do açafrão persa pode ser utilizado no tratamento contra doenças que envolvem a neuroinflamação, como a esclerose múltipla.

"Descobrimos que existe um composto no açafrão, conhecido como crocina, que exerce um efeito protetor nas culturas de células cerebrais e outros modelos de esclerose múltipla. Ela preveniu os danos às células que formam a mielina no cérebro. A mielina é o isolamento ao redor de nervos. A esclerose múltipla é caracterizada por células cerebrais inflamadas que perderam esse isolamento de proteção, o que acaba por conduzir à neurodegeneração", diz o líder da pesquisa, Chris Power.

Power notou que eles ainda não estão perto de um estágio de ensaios clínicos, mas a descoberta mesmo assim é animadora.

A comunidade de pesquisa sabe há anos que a crocina protege os neurônios em determinadas situações, mas Power e sua equipe queriam aprofundar-se ainda mais nesta área.

Sua equipe descobriu que a inflamação e um tipo específico de estresse celular estão intimamente ligados e levam à neurodegeneração e à inflamação que fazem com que as células percam a sua camada protetora - um processo conhecido como desmielinização. Em experimentos conduzidos por Power e seus colegas, o uso da crocina suprimiu tanto a inflamação quanto este tipo específico de estresse celular, resultando na diminuição do comprometimento neurológico em modelos de laboratório e culturas de células com esclerose múltipla.

"Ainda há muitas perguntas a serem respondidas sobre como a crocina exerce estes efeitos neuroprotetores, mas esta pesquisa destaca um papel possível para a crocina no tratamento de doenças envolvendo a neuroinflamação crônica - algo que não havia sido reconhecido até agora", disse Power.

Ele explicou que a pesquisa demonstra um novo mecanismo na esclerose múltipla, fornece novos alvos terapêuticos potenciais no futuro, e ajuda a explicar por que os médicos veem inflamação na esclerose múltipla.

A equipe de pesquisa também revelou que este tipo específico de estresse celular, chamado de resposta a proteínas desdobradas, pode ser causado por um vírus antigo, que foi introduzido no DNA dos seres humanos primitivos. Este estresse celular em particular é encontrado em níveis elevados nas lesões cerebrais da esclerose múltipla.

"Nós todos temos esses vírus antigos em nosso DNA, mas por alguma razão ele é excessivamente ativado na esclerose múltipla. Estamos fazendo mais pesquisas investigando esta ligação",disse Power.

Power vem investigando esta área específica por seis a sete anos.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Esclerose múltipla    Neuroinflamação    Açafrão    Crocina    Neurodegeneração   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
esclerose múltipla    neuroinflamação    açafrão    crocina    neurodegeneração   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.