Saúde Pública
publicado em 11/10/2011 às 17h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

P esquisa que garante que a introdução da escolha do paciente no Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido reduz mortes por ataques cardíacos é falha e enganosa, de acordo com um relatório publicado por pesquisadores da Queen Mary, University of London.

Segundo os pesquisadores, o estudo original foi usado pelo Governo para aprovar a ideia e serviu de base para a declaração do Primeiro Ministro David Cameron de que "a competição é uma maneira de fazer as coisas funcionarem melhor para os pacientes".

O novo relatório, liderado pela professora Allyson Pollock, aponta uma série de erros no estudo e conclui que ele é "fundamentalmente falho".

O estudo citado por Cameron é um trabalho do pesquisador Zack Cooper e colegas, que foi publicado pelo Ministério da Saúde do Reino Unido. Para o trabalho eles examinaram as taxas de mortalidade para pacientes de ataque cardíaco medido em relação ao número de hospitais dentro de uma determinada área. Eles também analisaram dados sobre a cirurgia eletiva de hérnia, catarata, artroscopia do joelho e quadril, para mostrar que a introdução de uma possibilidade de escolha da cirurgia eletiva levou a menores taxas de morte por ataques cardíacos.

Pollock e colegas dizem que, fundamentalmente, o estudo não oferece nenhuma explicação sobre porque a disponibilidade de escolha para tais procedimentos eletivos tem qualquer efeito sobre a sobrevivência dos pacientes a um ataque cardíaco.

O relatório também aponta que:

os pesquisadores não olharam se a disponibilidade de escolha tem qualquer efeito sobre onde os pacientes vão para receber o tratamento;

pesquisas recentes indicam que os pacientes que puderam escolher, decidiram por um hospital mais próximo;

ataque cardíaco é uma emergência médica e os pacientes geralmente não têm escolha sobre onde eles são tratados;

resultados para os pacientes de ataques cardíacos tendem a ser melhor quando são tratados em centros especializados em áreas urbanas;

não há evidências de que dados sobre as operações eletivas são de alguma forma, uma boa medida de escolha ou de competição.

Segundo Pollock, o Governo tem enfrentado enorme oposição do público e dos profissionais de saúde. Na tentativa de conquistar seus críticos o primeiro-ministro usou o estudo realizado por Zack Cooper para justificar a concorrência no Serviço Nacional de Saúde. "Nossa análise desta pesquisa revela que ela é fundamentalmente falha, correspondente à conclusão de que o papel simplesmente não prova qualquer causa ou efeito entre a escolha do paciente e as taxas de morte" , afirma a professora.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Escolha do paciente    Governo inglês    Queen Mary    University of London    NHS    David Cameron    Allyson Pollock   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
escolha do paciente    governo inglês    Queen Mary    University of London    NHS    David Cameron    Allyson Pollock   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.