Ciência e Tecnologia
publicado em 12/09/2011 às 16h21:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Pesquisadores da University de Toronto desenvolveram uma terapia para um tipo de infecção potencialmente mortal causada por microrganismos comuns em cateteres, junções artificiais e outros dispositivos médicos.

A terapia prognosticada de infecções fúngicas é de difícil tratamento para tais dispositivos, porque eles são compostos de biofilmes, complexos grupos de células que se ligam às superfícies. Biofilmes, por sua vez, são revestidos de uma matriz pegajosa que resiste a medicamentos.

Os pacientes frequentemente são submetidos à remoção cirúrgica do cateter infectado ou outro dispositivo, na tentativa de limpar a doença e evitar uma dispersão de células infectantes em todo o sistema.

Em um artigo publicado na revista científica PLoS Pathogens, os pesquisadores mostraram que a inibição de uma proteína chamada Hsp90 suprime a resistência às drogas nos dois principais fungos patógenos humanos, Candida albicans e Aspergillus fumigatus. "É preciso tornar efetivos os antifúngicos clássicos, que não foram eficazes contra biofilmes ", disse o investigador principal no estudo, Leah Cowen, que mantêm a Canada Research Chair in Microbial Genomics and Infectious Disease no U of T' s Department of Molecular Genetics.

Em um modelo animal com cateter venoso central infectado por um fungo mortal, os pesquisadores foram capazes de limpar completamente a infecção, inibindo a Hsp90 e aplicando antifúngicos. Essa abordagem trabalhou com a classe mais prescrita de antifúngicos, os azóis, e com a única classe nova no mercado, as equinocandinas.

Além disso, a estratégia funcionou com a inibição genética ou farmacológica de Hsp90. Os investigadores, incluindo Nicole Robbins, da U of T, utilizaram um medicamento para inibir a Hsp90 que está na fase 2 de desenvolvimento clínico para o câncer e parece ser bem tolerada pelos pacientes. Embora os pesquisadores já tenham descoberto que a droga provoca toxicidade em experimentos pré-clínicos em todo o sistema de infecções por fungos, no presente estudo o medicamento se mostrou seguro, provavelmente porque permaneceu restrito ao local da infecção.

O fluxo sanguíneo ao redor cateteres e outros dispositivos de habitação cria uma espécie de trava que limita a dispersão de drogas, e os dispositivos são geralmente abertos ao exterior, facilitando a entrega da droga. "Isso sugere que poderia ser possível caminhar muito rapidamente em direção a uma terapia clínica", disse Cowen.

Os pesquisadores também mostraram que a inibição da Hsp90 bloqueia a capacidade das células infectadas de se dispersarem a partir de biofilmes. "Quando nós inibimos a Hsp90 sozinha, sem antifúngicos, o biofilme permanece saudável, mas as poucas células que não eram viáveis ??foram dispersas. Isso também é uma descoberta clinica importante. Você ainda não quer uma grande população do fungo dentro do corpo, mas seria bom saber que ele não vai a lugar nenhum", disse Cowen.

Fungos são um grande problema clínico. A Candida albicans é a terceira principal causa de infecções intravasculares relacionadas ao cateter e é fatal em cerca de 30% das infecções associadas com os dispositivos médicos. O número de infecções da corrente sanguínea, adquirida por fungos, aumentou mais de 200% nas duas últimas décadas, em parte porque os tratamentos de sucesso para as doenças, anteriormente fatais como o câncer e a Aids, deixaram muitos pacientes imuno-comprometidos e suscetíveis à infecção.

Com mais de 10 milhões de pacientes por ano a receber cateteres, articulações artificiais e outros dispositivos, existe uma necessidade premente de uma melhor compreensão do biofilme e seu papel de resistência a drogas de agentes patogênicos de fungos.

Em 2005, Cowen e sua equipe descobriram o mecanismo pelo do qual a Hsp90 regula a resistência a drogas numa situação de livre flutuação. O presente estudo também estendeu esse trabalho e determinou que o mesmo mecanismo - estabilização de duas proteínas que permitem às células fúngicas suportarem o estresse da exposição à droga - não está em ação nos biofilmes de fungos.

Essa descoberta abriu uma nova e importante linha de investigação sobre os biofilmes resistentes aos medicamentos. "Quando baixamos os níveis de Hsp90, vemos uma redução em um dos principais componentes da matriz extracelular, ao redor do biofilme, que bloqueia a entrada da droga. A Hsp90 parece estar regulando um componente importante da matriz, chamada glucana, que é conhecida por bloquear o acesso de drogas destinadas a matar as células fúngicas. É um mecanismo plausível e algo a ser mais explorado", disse Cowen.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Infecçao    Fungos    Dispositivos    Medicos    Cateteres    Junçoes artificiais    Doença    Dispersao    Celulas    Drogas    Toronto    Canada   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
infecçao    fungos    dispositivos    medicos    cateteres    junçoes artificiais    doença    dispersao    celulas    drogas    Toronto    Canada   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.