Ciência e Tecnologia
publicado em 02/09/2011 às 15h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: UT Southwestern Medical Center
Heather Fecteau com a paciente Regina Ontiveroz, durante atendimento
  « Anterior
Próxima »  
Heather Fecteau com a paciente Regina Ontiveroz, durante atendimento

O esforço conjunto entre a UT Southwestern e o Parkland Memorial Hospital permite aos médicos detectar o câncer colorretal em pacientes abaixo dos 70 anos, e câncer do útero em mulheres com menos de 55 para determinar se existe um alto risco de uma predisposição genética à doença.

Se uma predisposição é encontrada, os pacientes são estimulados a trazer os membros da família para o teste. "Se conseguirmos trazer os familiares daqueles que foram diagnosticados, temos uma chance de tratar o câncer de cólon precocemente e até mesmo preveni-lo", avalia o professor assistente de medicina interna, Samir Gupta, da UT Southwestern, chefe da clínica que diagnostica o alto risco de câncer colorretal, em Parkland.

Com este protocolo incomum para teste de tumor, 11 pacientes já foram identificados com síndrome de Lynch, uma das condições herdadas mais frequentes, sendo responsável por 3 a 5 por cento dos casos de câncer de cólon. O objetivo da clínica de câncer colorretal é testar até 50 membros da família entre os 11 selecionados. Aqueles com síndrome de Lynch têm um risco de 80% de contrair câncer colorretal, até 60% de câncer uterino e riscos superiores para outros tipos de câncer.

O tumor colorretal é o segundo que mais mata, logo após o câncer de pulmão, de acordo com a American Cancer Society. Em vista disso, a Cancer Prevention and Research Institute of Texas recentemente concedeu à UT Southwestern uma doação de US $ 1,5 milhão para intensificar os esforços com os testes genéticos. A verba financiou avaliações de história da família e aconselhamento genético entre as comunidades de baixa renda e das minorias em Dallas e cinco municípios vizinhos, com foco em pessoas em risco de Lynch e hereditário câncer de mama-ovariano.

"Se um pai tem síndrome de Lynch, há uma chance de 50 por cento de um dos filhos também obtê-lo. Nós somos, por vezes, as primeiras pessoas a dizer-lhes que não vão morrer de câncer. Sabemos o que é causado e podemos impedi-lo", disse a supervisora do conselho genético, Linda Robinson, da UT Southwestern.

Embora o câncer colorretal hereditário seja raro, o impacto familiar pode ser generalizado. Câncer tende a desenvolver-se rapidamente naqueles com síndrome de Lynch e muitas vezes é diagnosticado até que a doença esteja avançada. Mas, com diagnósticos e monitoramentos precoces, a síndrome não tem de ser uma sentença de morte. "Acho que vou viver muito tempo", disse Regina Ontiveroz, enfermeira de 34 anos da Flower Mound, que foi diagnosticada com síndrome de Lynch através de um exame de sangue da UT Southwestern, no ano passado.

Ontiveroz perdeu o pai, a avó, dois tios e uma tia para o câncer. Ela sempre suspeitou de um fator hereditário, o que foi confirmado dois anos atrás, quando um primo com câncer foi diagnosticado com a síndrome de Lynch. "É como se essa nuvem negra me seguisse aonde quer que eu vá", disse ela.

Mas Ontiveroz, nunca foi diagnosticada com câncer. Ela credita ao programa de aconselhamento genético, da UT Southwestern, um estilo de vida saudável e diagnósticos anuais. Recentemente, ela teve uma histerectomia e remoção dos ovários como outra medida preventiva. "Esse é o benefício de testes genéticos. Não só ela estava ciente de que tinha um risco de contrair câncer, mas poderia agir e chegar à frente no jogo", disse o conselheiro genético Heather Fecteau, da UT Southwestern.

Um exame de sangue revela se uma pessoa tem qualquer um dos quatro genes que sofrem mutação associada à síndrome de Lynch. Para o membro da família diagnosticado, as recomendações são colonoscopias anuais ou a cada dois anos a partir de 25 anos de idade e, para as mulheres, a remoção dos ovários e do útero após a idade fértil. Exames de câncer de outras doenças podem ser sugeridos, dependendo da mutação genética específica.

Se o câncer corre na família, ou um membro da família foi diagnosticado em uma idade muito mais cedo para esse tipo de câncer, testes genéticos para síndromes de câncer hereditário são recomendados. Visite o site do UT Southwestern Medical Center para aprender mais sobre serviços clínicos de câncer da UT Southwestern, incluindo o teste genético.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Predisposição    Genetica    Sindrome de Lynch    Cancer    Pacientes    Familia    Teste    Cancer colorretal    Cólon    Oncologia    EUA   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
predisposição    genetica    sindrome de Lynch    cancer    pacientes    familia    teste    cancer colorretal    cólon    oncologia    EUA   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.