Ciência e Tecnologia
publicado em 14/08/2011 às 14h35:00
   Dê o seu voto:

Descoberta poderia explicar porque muitas pessoas continuam usando camas de bronzeamento apesar do maior risco de melanoma

 
tamanho da letra
A-
A+

Pessoas que usam camas de bronzeamento frequentemente apresentam alterações no cérebro e no comportamento semelhante aos viciados. É o que revela estudo de pesquisadores da University of Texas Southwestern Medical Center, nos Estados Unidos.

Segundo a equipe de pesquisa, isto poderia explicar porque algumas pessoas continuam a usar camas de bronzeamento, apesar do aumento do risco de desenvolver melanoma, a forma mais letal de câncer de pele. A atividade cerebral e o fluxo sanguíneo correspondentes rastreados pelos cientistas envolvidos no estudo é semelhante ao visto em pessoas viciadas em drogas e álcool.

"O uso das camas de bronzeamento tem efeitos de recompensa do cérebro para que as pessoas possam se sentir compelidas a persistir no comportamento mesmo que seja ruim para elas", explicou o autor do estudo Bryon Adinoff. "A implicação é: 'se é gratificante, então também poderia ser viciante?" É uma questão importante no campo de pesquisa."

Cerca de 120 mil novos casos de melanoma são diagnosticados nos EUA a cada ano, de acordo com a Fundação do Câncer de Pele. Pessoas com menos de 30 anos que usam uma cama de bronzeamento 10 vezes por ano tem oito vezes mais risco de desenvolver melanoma maligno.

Neste estudo, os participantes utilizaram camas de bronzeamento em duas ocasiões distintas: uma vez que foram expostos à radiação ultravioleta e outra vez com filtros especiais bloqueando a exposição à radiação ultravioleta. Participantes não sabiam em que sessão receberam a exposição real ou filtrada aos raios ultravioleta. Em cada visita os participantes foram questionados antes e após cada sessão sobre o quanto eles sentiram bronzeados. Os participantes também receberam um composto que permitiu aos cientistas medir o fluxo sanguíneo cerebral, enquanto eles estavam se bronzeando.

De acordo com os pesquisadores, o próximo passo é criar novas tecnologias para estudar mudanças mais profundas no cérebro de pessoas que utilizam o bronzeamento artificial de forma frequente.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
bronzeamento artificial    droga    álcool    University of Texas Southwestern Medical Center    Bryon Adinoff   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.