Ciência e Tecnologia
publicado em 09/08/2011 às 15h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: University of Oregon
Andrew H. Marcus, líder da pesquisa
  « Anterior
Próxima »  
Andrew H. Marcus, líder da pesquisa

O encaixe das peças de tamanho nanométrico em uma estrutura determina o funcionamento de um dispositivo artificial ou até mesmo de uma célula viva. Um novo método para ajudar a entender e prever tal estrutura foi formulado a partir de uma ferramenta de imagem de última geração.

Usando um sistema de modelagem computacional, imagens bidimensionais fluorescentes e um computador de alto desempenho, seis pesquisadores liderados pelos químicos Andrew H. Marcus, da Universidade de Oregon (EUA), e Alan Aspuru-Guzik, da Universidade de Harvard (EUA), estruturaram a conformação de moléculas auto-montáveis de porfirina em uma membrana biológica.

Porfirinas são compostos orgânicos onipresentes nos seres vivos. Eles transportam cargas elétricas que podem pular de molécula para molécula e permitir a comunicação em nanoescala e a transferência de energia entre elas.

" Nossa técnica disponibiliza uma maneira viável para determinar como os objetos macromoleculares montam e formam estruturas que funcionarão em ambientes biológicos. A pesquisa fornece um meio de estudo biológico nas interações proteína-ácido nucléico", explica Marcus.

Além disso, a abordagem deve ser útil para cientistas de materiais que se esforçam para entender e aproveitar a conformação necessária de polímeros utilizados na produção de dispositivos em nanoescala. Segundo Marcos, "em biologia, as moléculas grandes se reúnem para formar estruturas muito complexas que trabalham como uma máquina".

A técnica se baseia em versões anteriores de espectroscopia bidimensional óptica (2D) que dependiam da detecção de sinais transmitidos, mas faltava a sensibilidade desejada. " A nova abordagem pode ser combinada com uma única molécula de microscopia de fluorescência para permitir a visualização das menores escalas possíveis. Com a fluorescência, pode-se ver e medir uma molécula de cada vez. Esperamos que esta abordagem nos permita olhar para todas as moléculas", destaca o químico.

Mais detalhes sobre a técnica utilizada podem ser obtidos no site da Universidade de Oregon.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Imaagem    Nanoescala    Visualização    Pesquisa    Harvard    Oregon   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
imaagem    nanoescala    visualização    pesquisa    Harvard    Oregon   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.