Geral
publicado em 18/07/2011 às 21h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Divulgação Ag Fiocruz
De acordo com o artigo, a contradição entre a escolha de ter um filho e a subordinação, especialmente das mulheres, aos procedimentos médicos, ficou muito clara nos discursos dos casais estudados
  « Anterior
Próxima »  
De acordo com o artigo, a contradição entre a escolha de ter um filho e a subordinação, especialmente das mulheres, aos procedimentos médicos, ficou muito clara nos discursos dos casais estudados

Uma pesquisa que analisou as repercussões do uso das tecnologias e recursos médicos na reprodução assistida em casais inférteis aponta que, entre outros efeitos, a infertilidade pode gerar uma convivência contraditória entre atitudes de escolha e submissão. De acordo com pesquisa, os atuais recursos médicos disponíveis e sua popularização nos estratos médios torna o desejo de ter filhos, possível. No entanto, na medida em que há um impedimento que foge ao controle de decisão, surgem as inquietações que acometem os casais.

" Se a pessoa tem o desejo e os recursos disponíveis, parece inconcebível não poder ter o filho desejado. Para a classe média, isso se torna insuportável" , afirma a autora do estudo, Eliane Portes Vargas, da Fundação Oswaldo Cruz. Estas situações são muito recorrentes, pois, apesar dos avanços, os insucessos nas tentativas ainda são grandes.

Segundo Eliane, há uma transformação de valores na contemporaneidade que permite optar por não ter filhos e isto constitui necessariamente um problema. Porém, na medida em que a mulher quer e, involuntariamente, não consegue engravidar, cria-se um constrangimento. " Causa muito incômodo para o casal não concretizar um desejo expresso por meio de uma decisão racional - uma escolha, portanto. A concepção de um filho, pela fala dos informantes, ainda que entendida como um processo "natural", é sempre planejada, e o filho é considerado uma construção a dois, fruto de um processo decisório que fica no plano da vontade, sobre o qual há controle.

Laço biológico

A pesquisadora destaca, também, a ênfase que os casais dão ao filho biológico. Em um dos casos acompanhados na pesquisa, a mulher já havia tentado engravidar, não conseguiu, adotou uma criança e continuou insistindo no tratamento. " A força do laço biológico é muito marcante. Embora haja um discurso de aceitação da adoção, a noção do filho próprio, ' de sangue' , ainda é muito presente" , ressalta.

A privacidade e a espontaneidade no processo também foram questões abordadas pelos entrevistados. " Termos como ' privacidade' e ' espontaneidade' presentes nas narrativas aparecem como expressões obrigatórias do exercício da sexualidade contemporânea, evidenciando o ideal de uma atividade sexual livre de constrangimentos, em contraste com sua submissão aos ditames médicos para fins reprodutivos" , diz. " A queixa dos casais expressa uma concepção de sexualidade íntima e livre de controle. Assim, o desconforto gerado pelas interferências médicas nesta atividade se traduz como uma invasão de privacidade" , esclarece.

Escolha e subordinação

De acordo com o artigo, a contradição entre a escolha de ter um filho e a subordinação, especialmente das mulheres, aos procedimentos médicos, ficou muito clara nos discursos dos casais estudados. " O que parece estar em jogo é o constrangimento da liberdade de escolha, um valor caro para o indivíduo inserido no universo cultural das camadas médias. A partir do momento em que o casal tem que se subordinar às tecnologias e aos ditames da medicina, há uma quebra da espontaneidade, o que parecer contraditório à primeira vista" , afirma.

Segundo a especialista, por mais que os valores tenham se transformado, o modelo "casar e ter filhos" é muito forte, refletindo os valores presente na sociedade - ainda que os valores tenham se transformado e a vida social comporte outras configurações familiares, como, por exemplo, a existência de um casal que não tenha filhos por opção. Mas, quando este modelo não é seguido por uma razão involuntária, a questão fica mais complexa. A pesquisadora observa como dado curioso no caso das camadas médias o fato de as mulheres terem alto grau de escolarização e, mesmo assim, isso não ser suficiente para abalar esta faceta da identidade feminina que é ter filhos.

" Isso integra a identidade feminina também nas camadas médias e faz com que a mulher se subordine a procedimentos médicos em nome do desejo de um filho biológico, por mais que esta subordinação traga até consequências físicas" , explica a pesquisadora. " Elas são muito críticas ao uso das tecnologias, mas, por mais que se questionem, acabam investindo nestes recursos uma vez que promovem uma concepção ' natural' em comparação com a adoção" , pontua.

O estudo aponta que a relação dos casais com a tecnologia biomédica é ambivalente, já que muitos casais em uso de tecnologias de estímulo à concepção também utilizam vias alternativas, criticam as intervenções sobre os corpos e a utilização indiscriminada dos procedimentos técnicos. No ' itinerário terapêutico' que percorrem, os casais diferenciam as técnicas, medicamentos ou procedimentos avaliados como mais ou menos ' invasivos' . " A adesão aos tratamentos não ocorre sem restrições. A resistência e a crítica também surgem em situações de interação com os médicos, qualificadas como ' invasão' , completa.

Segundo Eliane, é importante que estas questões sejam problematizadas tanto no âmbito da experiência individual quanto em termos das políticas públicas uma vez que há uma expectativa social de acesso às tecnologias reprodutivas, ainda que de forma incipiente, pela via do sistema público de saúde. " Qualquer novidade tecnológica na área da reprodução assistida necessita ser bem discutida porque terá efeito tanto na vida social e coletiva quanto na existência individual. A forma como os casais poderão reagir diante da situação com a família, com amigos, no trabalho, com o sistema médico, enfim, todos os efeitos devem ser observados" , ressalta.

Acesse gratuitamente aqui a íntegra do artigo Sexualidade e reprodução: usos e valores relativos ao desejo de filhos entre casais de camadas médias no Rio de Janeiro, que traz os resultados do estudo.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Reprodução assistida    Infertilidade    Fiocruz    Atendimento   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Reprodução assistida    infertilidade    Fiocruz    atendimento   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.