Ciência e Tecnologia
publicado em 08/07/2011 às 13h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Michael Crabtree
Gwen Crabtree, de 2 meses de idade, sendo colocada em um aparelho de ressonância magnética para coleta de dados
  « Anterior
Próxima »  
Gwen Crabtree, de 2 meses de idade, sendo colocada em um aparelho de ressonância magnética para coleta de dados

Pesquisadores do Kings College de Londres, no Reino Unido, descobriram que bebês com menos de três meses são capazes de entrar em sintonia com o som das vozes das pessoas e percebem emoções diferentes, mesmo quando estão dormindo. Os resultados sugerem que o córtex infantil temporal é mais maduro do que se imaginava anteriormente.

Usando ressonância magnética funcional (fMRI), os pesquisadores visualizaram imagens do cérebro de bebês dormindo e descobriram que áreas especiais no cérebro que processam o som são mais sensíveis do que se sabia até agora. Desde muito cedo no desenvolvimento dos bebês estas áreas especiais respondem de forma diferente aos sons humanos e não-humanos, bem como emoções positivas, negativas e neutras.

"Esta descoberta melhora nossa compreensão do desenvolvimento infantil. Tem implicações não só para como vemos o impacto do ambiente social sobre o cérebro infantil, mas para futuras pesquisas sobre como a função cerebral e o desenvolvimento se relaciona a dificuldades na comunicação social mais tarde na vida", relatou o pesquisador principal, Declan Murphy.

Os pesquisadores gravaram as respostas do cérebro enquanto bebês com idades entre três e sete meses dormiam ouvindo sons humanos emocionalmente neutros, positivos ou negativos, como tossir, espirrar, rir ou chorar, ou sons ambientais não-vocais, tais como brinquedos ou água.

Os resultados mostraram uma maior ativação em uma área do lobo temporal conhecida pelo processamento de sons vocais humanos em adultos. Em outra parte do cérebro envolvida no processamento de emoção em adultos, os bebês mostraram um notável aumento na resposta a sons tristes, ao contrário dos neutros.

As descobertas são consistentes com as evidências anteriores de que as crianças podem extrair informações sutis da fala humana. A pesquisa tem potencial para ajudar a visualizar o que acontece nessa região particular do cérebro em bebês que passam a desenvolver desordens como o autismo ou comportamentos anormais, em que a comunicação social é afetada.

"Estamos agora realizando mais pesquisas nessa área para nos ajudar a entender como as diferenças no desenvolvimento do cérebro surgem, e se podemos usá-las para identificar com precisão os bebês que irão sofrer de distúrbios como o autismo, e se elas podem também ajudar a medir a eficácia das intervenções", concluiu Murphy.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Autismo    Desenvolvimento infantil    Kings College de Londres    Declan Murphy   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
autismo    desenvolvimento infantil    Kings College de Londres    Declan Murphy   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.