Geral
publicado em 04/07/2011 às 15h58:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Pesquisadores do Instituto Max Planck de Ornitologia,a na Áustria, descobriram, em um estudo com pássaros, que as fêmeas herdam dos pais a disposição para trair os parceiros. Durante oito anos os pesquisadores investigaram o comportamento sexual de mais de 1,5 mil pássaros tentilhões-zebra.

No primeiro estudo, pássaros machos e fêmeas sem parceiros foram submetidos a um teste de motivação sexual ou libido. Depois, um subconjunto dos tentilhões foi transferido para aviários a fim de testar como indivíduos socialmente monogâmicos se comportavam entre si dentro de um grande grupo.

Usando um sistema de videovigilância os pesquisadores puderam observar como fêmeas acasaladas estavam reagindo aos avanços do próprio parceiro e de parceiros estranhos. Além disso, os pesquisadores conduziram análises de paternidade genética usando um método marcador de microssatélite a fim de determinar o número de filhos que um macho teve em um ninho diferente. Eles também identificaram o número de filhos que uma fêmea produziu junto com um macho estranho.

O resultado foi surpreendente. Aparentemente a disponibilidade das fêmeas para se envolverem com machos estranhos foi herdada de seus pais [machos] que também tinham traído suas parceiras. A predisposição para a infidelidade mostra uma base genética moderada, mas evolutivamente crucial. Como a predisposição para a infidelidade é passada de pais para as filhas, os pesquisadores chegaram a uma nova interpretação da infidelidade feminina.

"Não é essencial que haja uma vantagem evolutiva para as fêmeas", disse o autor do estudo Wolfgang Forstmeier. "É suficiente que os ancestrais do sexo masculino tenham tido benefícios que resultaram de sua promiscuidade. O chamado gene "Casanova" vai aumentar sua frequência dentro de uma população enquanto os benefícios para os portadores do gene do sexo masculino superam os custos para os portadores do gene do sexo feminino".

Se a hipótese de uma evolução correlacionada da infidelidade masculina e feminina pode ser transferida para a situação em humanos ainda não está claro. Não há dúvida, porém, que há uma base genética para muitos aspectos do comportamento sexual e do acasalamento humano. "A questão de até que ponto os mesmos genes influenciam o comportamento feminino e masculino de uma forma semelhante ainda necessita de estudos de seguimento para ser respondida", afirmou Forstmeier.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
infidelidade    predisposição genética    gene Casanova    Instituto Max Planck de Ornitologia    Wolfgang Forstmeier   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.