Geral
publicado em 01/06/2011 às 14h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

A Câmara dos Deputados poderá participar das discussões sobre a concessão e quebra de patentes de remédios. Um grupo de trabalho a ser criado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) deverá definir o papel exato desses dois órgãos nos casos das patentes de medicamentos.

A patente impede que, por 20 anos, pessoas ou empresas copiem e vendam uma invenção registrada no INPI. Ao mesmo tempo, o registro torna o produto mais caro. Dr. Rosinha citou o caso de um remédio usado no tratamento e prevenção da trombose arterial, o Clopidogrel, antes e depois da quebra da patente. " O medicamento, que custava no mercado R$ 172, hoje custa R$ 48. Por 20 anos, esses laboratórios ficam sugando a nossa economia graças a esse registro" , criticou o parlamentar.

Anuência prévia

Parecer da Procuradoria Geral da República, publicado em janeiro deste ano, definiu que, no caso de patentes de remédios, cabe à Anvisa dar a anuência prévia sobre a exclusividade para produção do medicamento, sendo que o INPI deve dar a decisão final sobre a concessão da patente.

A Anvisa, portanto, analisa se há riscos ou não do medicamento à saúde. Por sua vez, o INPI avalia se o remédio cumpre os requisitos de novidade, atividade inventiva e aplicabilidade industrial, que são exigidos para a concessão da patente.

Segundo o presidente da Anvisa, Dirceu Barbano, o parecer da procuradoria é positivo, mas há pontos que podem ser aprimorados pelo grupo de trabalho. Por outro lado, a Coordenadora do Grupo de Trabalho de Propriedade Intelectual da Rede Brasileira pela Integração dos Povos, Renata Reis, criticou o texto. Para ela, não é tecnicamente possível que a Anvisa avalie critérios de saúde pública por meio de um documento de patente. " Ao invés de dirimir o conflito, o documento gerou uma incerteza jurídica" , afirmou.

Renata Reis defendeu que Anvisa analise os requisitos objetivos de patenteabilidade, como novidade, atividade inventiva e aplicabilidade industrial; e não o risco à saúde, " que não é algo possível num documento de patente" .

Pipelines

Dr. Rosinha também quer que os integrantes da Comissão de Seguridade Social acompanhem, junto à Advocacia-Geral da União, a discussão sobre a quebra das patentes pipelines de 218 medicamentos. A patente pipeline é o mecanismo em que a patente expedida no exterior é reconhecida no Brasil apenas até o tempo em que ela leva para expirar no país de origem.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Patente    Medicamento    Câmara    Deputado    Remédio    INPI    Anvisa   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Patente    Medicamento    Câmara    Deputado    Remédio    INPI    Anvisa   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.