Ciência e Tecnologia
publicado em 23/05/2011 às 18h56:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Novas provas científicas desafiam a concepção popular de que os comportamentos repetitivos, como lavar as mãos, característicos do transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), são realizados em resposta a medos obsessivos perturbadores.

O estudo, conduzido na Universidade de Cambridge, no Reino Unido, revelou que, no caso do TOC, os comportamentos próprios (as compulsões) podem ser precursores da desordem, e que as obsessões podem ser simplesmente a maneira do cérebro de justificar esses comportamentos.

A pesquisa fornece informações importantes sobre como o comportamento repetitivo debilitante do TOC se desenvolve e pode levar a tratamentos mais eficazes e medidas preventivas para a doença. Os pesquisadores, liderados por Claire Gillan, testaram 20 pacientes que sofrem da doença e 20 indivíduos controle (sem TOC) em uma tarefa que estudou a tendência a desenvolver um comportamento como hábito.

Os indivíduos foram obrigados a aprender associações simples entre estímulos, comportamentos e resultados, a fim de ganhar pontos em uma tarefa. Gillan e seus colegas descobriram que pacientes que sofrem da doença tinham uma tendência a continuar a responder, independentemente de seu comportamento produzir ou não um resultado desejável. Em outras palavras, este comportamento era habitual.

A descoberta de que o comportamento compulsivo - o irresistível desejo de realizar uma tarefa - pode ser observado em laboratório, na ausência de qualquer obsessão relacionada, sugere que as compulsões podem ser a característica fundamental do TOC.

De fato, um dos tratamentos mais eficazes para o TOC é a terapia cognitivo-comportamental (TCC), que normalmente envolve um método conhecido como "exposição e prevenção de resposta". Esta técnica desafia os pacientes a interromper a resposta compulsiva, e a saber que a consequência temida não ocorre, mesmo se o comportamento for ou não realizado. A eficácia deste tratamento é compatível com a ideia de que as compulsões, e não obsessões, são fundamentais para o TOC. Uma vez que a compulsão é interrompida, a obsessão tende a desaparecer.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   TOC    Comportamento compulsivo    Compulsão    Obsessão    Universidade de Cambridge   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
TOC    comportamento compulsivo    compulsão    obsessão    Universidade de Cambridge   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.