Ciência e Tecnologia
publicado em 19/05/2011 às 14h54:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Perda de olfato e distúrbios do sono podem ser sintomas iniciais precoces da doença de Alzheimer. É o que sugere estudo de pesquisadores do Laboratório de Neurociência Funcional da Universidade Pablo de Olavide, na Espanha.

"Ao avaliar a função olfativa de uma pessoa com queixas subjetivas de memória e quantificar as alterações anatômicas promovidas nas áreas do cérebro envolvidas nesta função, observamos uma deterioração na capacidade olfativa acompanhada por uma perda da integridade anatômica dessas áreas", explicou o líder do estudo José Luis Cantero.

Os pesquisadores descobriram ainda que a sensibilidade desses marcadores parece aumentar se forem medidos os níveis de beta-amiloide, uma proteína que aparece em excesso nos pacientes com doença de Alzheimer, e selecionadas pessoas com predisposição genética para a doença.

Estudos anteriores sugerem que não há um único marcador precoce da doença de Alzheimer. É necessário combinar diferentes indicadores, derivados da genética, biologia molecular, neuroimagem, eletrofisiologia cerebral e neuropsicologia para criar um cenário que atrai cada vez mais para o diagnóstico precoce da doença de Alzheimer.

Em busca de marcadores precoces

A linha de pesquisa do grupo de Cantero visa estabelecer marcadores mais precoces que podem prevenir ou tratar a doença antes que os sintomas de déficits cognitivos irreversíveis apareçam.

"Após décadas de pesquisas, sabemos que a batalha contra a doença de Alzheimer deve ser travada na fase pré-sintomática, 10 ou 15 anos antes do diagnóstico clínico, quando o paciente começa a ter queixas subjetivas de memória que passam despercebidas em explorações clínicas convencionais. Neste ponto, podemos começar a sonhar com a prevenção desta doença."

Além disso, os resultados do estudo sugerem que as pessoas com transtorno cognitivo leve, um preditor para a doença de Alzheimer, têm reduzido o volume do núcleo basal de Meynert que acompanha mudanças na estrutura do ciclo vigília-sono.

"Pacientes com transtorno cognitivo leve mostram menos sono REM e um sono de ondas lentas (profundidade) mais fragmentado. Adicionado a isso é que essas pessoas têm um volume reduzido do núcleo basal de Meynert, uma estrutura cerebral que contém 80% dos neurônios colinérgicos que realizam sinapses no córtex cerebral, sede de funções cognitivas como atenção, memória e fornecer certas propriedades eletrofisiológicas do sono REM ", afirmou Cantero. "Sem dúvida, o triângulo neurodegeneração, memória e sono tem muito a dizer sobre os estágios iniciais da doença de Alzheimer", acrescentou.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Alzheimer    Olfato    Sono    Universidade Pablo de Olavide   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Alzheimer    olfato    sono    Universidade Pablo de Olavide   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.