Ciência e Tecnologia
publicado em 04/04/2011 às 17h43:00
   Dê o seu voto:

Cientistas identificam novo alvo que pode levar a vacina contra a AIDS

 
tamanho da letra
A-
A+

Parte do envelope de proteína do vírus da AIDS, até então considerada alvo improvável de vacinas, parece ser agora um das mais promissoras fontes para a cura da doença. É o que sugere pesquisa realizada no Dana-Farber Cancer Institute, nos Estados Unidos.

A seção - um fio de torção de proteína conhecido como alça V3 - é um alvo atraente da vacina porque os anticorpos do sistema imunológico que atacam a alça podem oferecer proteção contra vários subtipos genéticos do HIV-1, o vírus causador da AIDS.

Esse requisito é essencial a qualquer vacina contra a AIDS porque o vírus sofre mutações rapidamente e atualmente inclui milhares de estirpes diferentes, que são agrupados em diferentes subtipos genéticos.

Testes em macacos

No estudo, os pesquisadores injetaram um anticorpo monoclonal - uma preparação de milhões de anticorpos idênticos que combatem as infecções virais em macacos asiáticos.

O anticorpo veio de uma pessoa infectada com o subtipo específico do HIV-1.

Os macacos foram expostos a vírus de um diferente subtipo. Os investigadores sabiam que o anticorpo se ligaria a uma porção da alça V3 do vírus, potencialmente impedindo o vírus de invadir as células vizinhas, mas eles não sabiam se isso iria prevenir a infecção por um subtipo distinto do vírus.

Os resultados foram impressionantes: todos os macacos tratados foram protegidos da infecção pela estirpe de macacos do HIV-1, conhecida como SIV.

Macacos expostos ao vírus sem receber o anticorpo monoclonal, pelo contrário, tornaram-se totalmente contaminados.

"Esta é a primeira vez que um anticorpo monoclonal feito contra um subtipo específico do vírus da AIDS forneceu proteção completa contra subtipos diferentes em modelos animais", disse a autora sênior do estudo Ruth Ruprecht. "Estudos anteriores demonstraram que tais anticorpos neutralizantes podem proteger macacos de infecções por um subtipo, mas como novos subtipos do vírus da AIDS evoluíram, não era claro se esses anticorpos poderiam proteger todos os subtipos diferentes e prevenir a infecção", acrescentou. "Agora temos uma resposta."

Vacinas contra a AIDS precisam ser amplamente eficazes, disse Ruprecht, oferecendo proteção contra uma variedade de subtipos de HIV-1 em qualquer lugar do mundo.

Subtipo C

É particularmente importante para essas vacinas proteger contra o subtipo C, que responde por quase 60% dos casos de AIDS em todo o mundo e predomina na África sub-saariana, Índia e China.

Em muitas partes do mundo, o subtipo C foi combinado com subtipo B, mas conserva um envelope de proteína do subtipo C. Ruprecht e seus colegas mostraram que o anticorpo contra a alça V3 previne a infecção por um vírus do subtipo C.

A técnica de tratamento do anticorpo utilizada no estudo é pouco provável de conferir proteção a longo prazo contra o HIV-1, porque os anticorpos infectados não permanecem ativos no corpo por muito tempo.

O valor do estudo é que ele demonstra que os anticorpos dirigidos contra a alça V3 de um subtipo do HIV-1 podem criar um escudo no sistema imunológico contra outro subtipo.

Para traduzir esta descoberta em uma vacina, os pesquisadores precisam encontrar uma maneira de concentrar as respostas do sistema imunológico na pequena porção da alça V3 que é compartilhada por vírus de subtipos diferentes. O sistema imunológico poderia então gerar seus próprios anticorpos protetores contra o vírus.

Uma maneira de conseguir isso pode ser a criação de pequenas moléculas que representem esta região especial dentro da alça V3 para que o sistema imunológico possa reconhecê-la e atacá-la.

Embora os cientistas já soubessem que V3 pode desencadear uma resposta imunológica ao HIV-1, a alça foi pensada para ser uma "isca" inteligente: o corpo produziria anticorpos que se abrigariam em V3, mas estes não seriam capazes de bloquear a infecção por versões ligeiramente diferentes do vírus da AIDS. A alça V3 tem sido conhecida por sofrer mutações muito rapidamente. Vírus com os envelopes de proteína ligeiramente alterados, então, iniciariam o processo de infecção.

O estudo mostrou que uma região especial do V3 é o alvo principal.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   AIDS    HIV    HIV-1    Dana-Farber Cancer Institute   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia: Cientistas identificam novo alvo que pode levar a vacina contra a AIDS
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria: Cientistas identificam novo alvo que pode levar a vacina contra a AIDS


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
AIDS    HIV    HIV-1    Dana-Farber Cancer Institute   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.