Saúde Pública
publicado em 23/02/2011 às 13h20:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Uma pesquisa da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP realizada com caminhoneiros constatou que o uso de drogas, o cansaço físico e mental, as ultrapassagens, a falta de profissionais qualificados no mercado, o sistema de rastreamento, a comissão e determinados tipos de carga estão relacionados aos acidentes envolvendo esses profissionais.

Os dados estão na dissertação de mestrado O trabalho dos motoristas de caminhão: a relação entre atividade, vínculo empregatício e acidentes de trabalho, apresentada no último dia 18 pela psicóloga Luna Gonçalves da Silva, no Departamento de Saúde Ambiental da FSP, sob orientação da professora Claudia Roberta de Castro Moreno.

O objetivo do trabalho foi conhecer e analisar a atividade, aspectos da organização do trabalho e acidentes de motoristas de caminhão com diferentes vínculos empregatícios, partindo do relato dos próprios trabalhadores.

A pesquisadora apoiou-se no fato de que, apesar dos diversos estudos realizados com motoristas de caminhão, poucos são baseados na descrição da atividade feita pelo próprio trabalhador. O conhecimento dos próprios motoristas sobre sua atividade, assim como dos acidentes, pode contribuir para a elaboração de medidas para a redução de acidentes, bem como ações que visem à promoção de saúde destes trabalhadores.

A pesquisa foi feita numa empresa transportadora localizada no estado de São Paulo, no ano de 2010. Realizou-se um estudo qualitativo tendo como método utilizado a Análise Coletiva do Trabalho. Foram realizados quatro encontros, nos quais grupos de motoristas de caminhão, voluntários, descreveram sua atividade às pesquisadoras; não existiu um número pré-determinado de participantes para esse estudo. A partir dos dados obtidos, construíram-se as seguintes categorias: trabalho, saúde, repercussões do trabalho na vida familiar e social; vínculos empregatícios e acidentes de trabalho.

Quatro vínculos

Durante a pesquisa, Luna verificou quatro tipos de vínculos empregatícios na população de estudo: contratados, agregados, terceirizados e quarteirizados. Trabalhadores contratados e agregados queixaram-se do sistema de rastreamento e da atividade de enlonar e desenlonar o caminhão, diferentemente do relato dos terceirizados.

Por outro lado, o relato dos terceirizados é semelhante ao dos agregados, pois em ambos os vínculos há possibilidade de maior autonomia no trabalho, maior retorno financeiro e escolha da data de retorno para casa. Entretanto, a instabilidade financeira e o desamparo de direitos trabalhistas são queixas frequentes desses trabalhadores, o que não ocorre com os motoristas contratados. Dentre os vínculos estudados, motoristas agregados e quarteirizados são os que apresentam as condições de trabalho mais difíceis.

Fonte: USP
   Palavras-chave:   Caminhoneiro    Caminhão    Acidente    Droga    Cansaço    USP   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Caminhoneiro    Caminhão    Acidente    Droga    Cansaço    USP   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.