Ciência e Tecnologia
publicado em 09/02/2011 às 02h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Investigadores da Mount Sinai School of Medicine, nos Estados Unidos, identificaram um gene específico que pode impulsionar a memória a longo prazo e melhorar a cognição.

Liderados por Cristina Alberini, a equipe de pesquisa avaliou como uma proteína chamada fator de crescimento semelhante à insulina II (IGF-II), um gene expresso durante o desenvolvimento cerebral que diminui com o envelhecimento, tem impacto sobre a formação e retenção de memória.

IGF-II é enriquecido no cérebro adulto em diversas áreas, incluindo o hipocampo e o córtex, que são conhecidos por serem importantes para a formação da memória.

Melhorias em ratos

Os pesquisadores injetaram a proteína no hipocampo de ratos e verificaram que o IGF-II significativamente melhorou a memória de longo prazo.

A equipe também descobriu que os níveis de IGF-II aumentaram após a aprendizagem, e que quando esse aumento foi bloqueado memórias de longa duração não puderem se formar.

"As implicações destes dados são de longo alcance e nos dá novas pistas sobre como investigar a perda de memória e o esquecimento em pessoas com déficit cognitivo, como aqueles com Alzheimer, AVC ou demência", disse Alberini.

Antes deste estudo, os pesquisadores relataram que muito pouco, ou mesmo nada, se sabia sobre o IGF-II nas funções do cérebro adulto.

Os pesquisadores testaram o impacto da injeção de IGF-II em ratos depois que eles passaram por uma aprendizagem de evasão inibitória, na qual eles aprendem a evitar uma experiência desagradável.

Eles descobriram que, comparados ao grupo controle, os ratos injetados com IGF-II tiveram uma retenção de memória muito mais forte. Além disso, os ratos mantiveram uma elevada memória durante várias semanas, enquanto o grupo controle apresentou diminuição de memória durante o mesmo período de tempo.

A equipe de pesquisa também avaliou o impacto do IGF-II em nível celular.

Eles descobriram que o IGF-II teve um impacto na potenciação de longa duração (LTP). LTP é um tipo de plasticidade sináptica, ou a mudança na força dos pontos de contato entre as células nervosas, que os pesquisadores acreditam ser crucial para a formação de memória de longa duração.

O colaborador do estudo, Robert Blitzer e sua equipe descobriram que o IGF-II promoveu LTP estável, reforço na transmissão dos sinais entre as células nervosas e manteve isso por um longo período de tempo.

"Este estudo é o primeiro passo para entender os benefícios do IGF-II," disse Alberini. "Nós identificamos alguns dos mecanismos associados a esse efeito e estamos ansiosos para continuar a estudá-los e explorar a relevância clínica do IGF-II."

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
memória de longo prazo    cognição    IGF-II    Mount Sinai School of Medicine    Cristina Alberini   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.