Artigo
publicado em 04/02/2011 às 02h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Lina Faria
Cicero Urban, médico oncologista e mastologista
  « Anterior
Próxima »  
Cicero Urban, médico oncologista e mastologista

Em 2010 mais de 7 milhões de pessoas no mundo morreram de câncer. Cerca de uma em cada três desenvolverão essa doença durante sua vida. Essa é a crônica de uma doença milenar, mas que representa um dos maiores problemas para a saúde pública mundial. Ou, mais do que isso, uma metáfora médica, científica, política e psicológica a praga da nossa geração. Também denominado como o imperador de todas as doenças.

A questão fundamental na era da nanotecnologia e da proteômica, e que ainda resiste em sua biografia, apesar de todos os avanços recentes, é se o câncer existirá no futuro, ou seja, se será possível erradicá-lo da nossa sociedade para sempre. No fim de tudo, o câncer começa e termina com as pessoas. Um drama pessoal e familiar, onde somam-se o medo da morte e da mutilação, à esperança da recuperação e da cura. Do ponto de vista científico, trata-se do crescimento incontrolado de uma única célula, a partir de mutações que, ao modificar o DNA, provocam uma desregulação nas divisões celulares. Uma célula normal, em condições adequadas, possui um número limitado e previamente programado de divisões celulares.

Em Oncologia jamais será possível separar a ciência da arte, a razão do instinto, e o dado biológico das emoções. A técnica, ainda que muito avançada, não superará a grande missão de humanidade do médico. Existe uma cumplicidade entre o paciente oncológico e o médico, talvez a mais profunda em toda a medicina. " A senhora tem seis meses de vida." O câncer não tira a vida, ao contrário, lhe dá uma outra, completamente diversa. Muitas vezes coloco às minhas pacientes de câncer de mama que a diferença entre elas e as pessoas que não tem câncer é que elas estão despertas. Ou seja, têm consciência da fragilidade e vulnerabilidade que estão presentes em todos nós basta estarmos vivos! Afinal de contas, todos, um dia, seremos incuráveis. Este doloroso despertar pode nos fazer melhores. Nos dar coragem para transformarmos o mundo em que vivemos e transformá-lo para melhor.

O jovem estudante de medicina aprende a ver o paciente como um quadro de Picasso: dividido em tantas formas separadas. Ele aprende desde cedo a mascarar seus sentimentos e até mesmo a negá-los. A sua atenção está direcionada muito mais para a Biologia Molecular, para a tecnologia e para a doença. O próprio cadáver na sala de anatomia ensina, ainda que sem a intenção disso, que ver é mais importante do que escutar. Ao final, o médico conhece muito pouco sobre o doente e, quando se depara frente a um paciente terminal, o despreparo se transforma em angústia e, no estágio mais avançado, o mais grave: a distância e a falta de empatia.

O oncologista hoje tem tudo o que todos os nossos ancestrais sonhavam: um tratamento sob medida para cada doença. Paradoxalmente isso nos afastou dos pacientes. Por isso é necessário um renascimento do humanismo médico, como já afirmamos tantas vezes. Afinal o PET-Scan e a ressonância magnética não revelam a mente e o espírito dos nossos pacientes. Uma paciente com câncer de mama pode estar curada com um anticorpo monoclonal de última geração, mas ter perdido todo o sentido de viver morrer em vida.

Portanto o que deve ser buscado na Oncologia e na Medicina como um todo é a cura da pessoa humana. Isso vai além da tecnologia e representa uma grande mudança de paradigma no ensino médico e na cultura das práticas de saúde. Enquanto nas decisões de saúde pública e de saúde complementar, não se priorizar e, de fato, se valorizar o contato entre o médico e o paciente, continuaremos com a ilusão de que podemos tudo com a técnica, deixando um grande vazio por detrás de uma atividade que é e sempre foi eminentemente humana.

No fim, o câncer será vencido um dia, mas novas doenças surgirão para desafiar o espírito humano. A arte, por outro lado, resistirá.

Fonte: CFM
   Palavras-chave:   Artigo    Câncer    Espírito    Humano    Cicero Urban   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Artigo    câncer    espírito    humano    Cicero Urban   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.