Geral
publicado em 26/09/2010 às 18h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Wilson Dias/ABr
Estudantes da rede pública do Distrito Federal recebem a vacina contra hepatite B, influenza A (H1N1), sarampo, febre amarela, entre outras doenças
  « Anterior
Próxima »  
Estudantes da rede pública do Distrito Federal recebem a vacina contra hepatite B, influenza A (H1N1), sarampo, febre amarela, entre outras doenças

Cientistas reconhecem que muitas habilidades perceptivas importantes para a compreensão da linguagem e da leitura podem ser reforçadas através da prática. Agora, uma pesquisa da Universidade Northwestern sugere uma nova forma de treinamento que poderia reduzir em pelo menos 50%, o esforço necessário para a aprendizagem.

A pesquisa também pode ser a primeira manifestação comportamental de metaplasticidade - a ideia de que experiências próprias não geram aprendizado, mas podem influenciar o modo como as experiências tardias afetam a aprendizagem.

"Antes do nosso trabalho, grande parte das pesquisas sobre a aprendizagem perceptiva poderia ser resumida como 'sem dor, sem ganho'", diz Beverly Wright, autora de um estudo. "Nosso trabalho sugere que você pode ter o mesmo ganho no aprendizado, com uma dor significativamente menor".

As descobertas podem levar a terapias menos cansativas para crianças que sofrem de distúrbios de linguagem e de aprendizagem que envolvem habilidades perceptivas. Resultados podem ser aplicados pela população em geral com interesse em melhorar suas habilidades de percepção, músicos que procuram aguçar a sua sensibilidade ao som, pessoas que estudam uma segunda língua ou médicos que aprendem a diferença entre os batimentos cardíacos regulares e irregulares.

Pesquisas anteriores mostraram que os indivíduos tornam-se melhores em muitas tarefas de percepção se realizá-las repetidamente, tornando o treinamento tedioso e de longa duração. Mostrou também que a mera exposição a estímulos perceptivos utilizados durante a prática dessas tarefas não gera aprendizagem.

Mas essa pesquisa inédita descobriu que a aprendizagem robusta ocorreu, quando os pesquisadores combinaram períodos de prática demasiado curtos para provocar a aprendizagem, com períodos de mera exposição a estímulos perceptivos. "Para nossa surpresa, descobrimos que dois 'erros' na verdade, podem fazer um 'certo', quando se trata de percepção de aprendizagem", diz Wright.

Eles descobriram também que a combinação levou a ganhos de aprendizagem perceptiva que eram iguais aos ganhos de aprendizagem dos participantes que realizaram o dobro de tarefas contínuas.

O estudo

Wright e os pesquisadores Andrew Sabin, Yuxuan Zhang, Nicole Marrone e Matthew Fitzgerald trabalharam com quatro grupos de participantes adultos, com idade entre 18 a 30 anos, com audição normal e sem experiência anterior com tarefas psicoacústicas. Seu objetivo era melhorar a capacidade dos participantes para discriminar entre os arremessos de diferentes tons.

Os pesquisadores inicialmente determinaram a menor diferença no tom que os participantes pudessem discriminar. Em seguida, dividiram os participantes em quatro grupos, cada um dos quais passou por um regime de treinamento diferente.

Os participantes em um grupo foram treinados, durante 20 minutos por dia, em uma semana, na tarefa de discriminação de passo. Por duas vezes, eles foram solicitados a dizerem a diferença entre o tom padrão (de 1000 Hertz) e um tom mais baixo, mas não apresentaram nenhuma melhoria.

Os participantes de um segundo grupo apresentou significativos ganhos de aprendizagem, quando a mesma tarefa foi combinada com 20 minutos de trabalho em um quebra-cabeça não relacionado, ao mesmo tempo e várias vezes, recebendo um tom de 1000 Hertz, através de auscultadores.

O aprendizado do segundo grupo também foi comparável ao de um terceiro grupo, que durante uma semana praticou a mesma tarefa, por 40 minutos por dia.

Um quarto grupo de participantes, repetidamente exposto a um tom de 1000 Hertz, por 40 minutos por dia, durante a execução de uma tarefa, não apresentaram ganhos de aprendizagem.

Os pesquisadores descobriram que o efeito da combinação do treino com a tarefa e apresentação de estímulos começou a diminuir, se era realizada a intervalos de mais de 20 minutos. A evidência de metaplasticidade desapareceu por completo quando as sessões eram executadas durante quatro horas.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Aprendizado    Habilidades perceptivas    Linguagem    Metaplasticidade    Esforço   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Aprendizado    habilidades perceptivas    linguagem    metaplasticidade    esforço   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.