Ciência e Tecnologia
publicado em 25/04/2009 às 20h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Um grupo de cientistas nos Estados Unidos descobriu componentes celulares em mosquitos Aedes aegypti e em humanos que o vírus da dengue usa para poder se multiplicar após infectar os hospedeiros. São dezenas de proteínas das quais o vírus depende para o seu desenvolvimento.

Segundo o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas do governo norte-americano, que financiou a pesquisa, a descoberta de tais alvos pode levar ao desenvolvimento de drogas capazes de inibir um ou mais desses componentes, barrando a infecção e o desenvolvimento da doença.

Todos os vírus cooptam partes das células que invadem, mas os cientistas estimam que o vírus da dengue precise de muitos componentes dos hospedeiros, por ter um material genético próprio muito pequeno. Mas até agora, poucos desses fatores haviam sido identificados.

Mariano Garcia-Blanco, da Universidade Duke, e colegas usaram um modelo mais conhecido, da mosca-da-fruta ( Drosophila melanogaster ), por suas semelhanças com o mosquito transmissor da dengue e pela disponibilidade de muitas ferramentas para determinar suas funções genéticas.

Os cientistas usaram uma técnica chamada de interferência de RNA para silenciar segmentos do genoma da drosófila e identificar de quais deles o vírus depende para crescer eficientemente. Encontraram 116 fatores genéticos, dos quais apenas cinco haviam sido descritos anteriormente. Dos 116, os pesquisadores verificaram que 42 têm correspondentes em humanos.

Em seguida, os pesquisadores usaram interferência de RNA e mosquitos vivos para testar se, ao silenciar alguns dos fatores, o vírus teria alguma redução na capacidade de infectar o tecido do intestino dos insetos. A resposta foi que o silenciamento reduzia, e muito, a capacidade do o vírus se multiplicar no mosquito.

Segundo os autores do estudo, os resultados, embora preliminares, levantam a possibilidade de inibir propositalmente o crescimento do vírus em mosquitos. O que abre o caminho para, por exemplo, desenvolver um spray que possa ser usado não para matar os mosquitos, mas torná-los menos eficientes no transporte do vírus.

Como tais alternativas não atacariam o vírus diretamente, mas sim seu hospedeiro, o vírus teria menos oportunidade de desenvolver resistência a drogas.

Fonte: DUKE SCHOOL OF MEDICINE
   Palavras-chave:   Aedes aegypti    Dengue    Mariano Garcia-Blanco    RNA    Universidade Duke   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Aedes aegypti    dengue    Mariano Garcia-Blanco    RNA    Universidade Duke   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.