Saúde Pública
publicado em 26/08/2010 às 22h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Estimativas apontam que 10% dos brasileiros têm dor neuropática, e com o envelhecimento da população a tendência é que esse número aumente. A patologia decorre de lesão dos nervos e pode ser consequência de outras doenças como diabetes, vasculite, inflamações nos nervos, insuficiência renal etc.

Os sintomas são constantes sensações de queimação, ardência e choques. Além disso, são comuns as comorbidades como distúrbio do sono, depressão, instabilidade no humor, falta de desejo sexual, o que compromete muito a qualidade de vida do paciente e suas atividades sociais.

" Toda dor é uma experiência de sofrimento para o homem, porém a neuropática é crônica e de difícil controle. Seu diagnóstico é complexo e o médico deve atentar para a história clínica do paciente e, principalmente, ter um bom treinamento quanto ao exame neurológico, particularmente do sistema nervoso periférico. Porém, são poucos os pacientes que passam por esse tipo de avaliação" , explica o neurologista Osvaldo Nascimento. O médico salienta que as diretrizes para o diagnóstico muitas vezes apresentam controvérsias, gerando confusão por parte do profissional menos experiente.

Segundo o neurologista, reconhecer a apresentação das neuropatias é fundamental para que se tenha uma indicação terapêutica adequada. " Muitos médicos não estão bem preparados para diagnosticar a patologia. É um erro comum entre eles a indicação de anti-inflamatórios para dor neuropática. Quando os médicos entenderem melhor a doença eles vão tratá-la adequadamente" , afirma Dr. Nascimento.

O tratamento pode ser realizado com antidepressivos duais ou tricíclicos, que funcionam muito bem em longo prazo, inclusive porque é muito comum que pacientes com dores crônicas apresentem depressão devido ao constante estado de dor. Em função dos efeitos colaterais dos tricíclicos, antidepressivos duais, mais modernos como a duloxetina, vêm sendo cada vez mais utilizados.

Outra opção para o tratamento são os anticonvulsivantes, que também podem ser utilizados em combinação com um antidepressivo. Mas quando nenhum desses tratamentos produz o efeito esperado, em última instância, o médico recorre à indicação de opioides. No caso de dores leves, a acupuntura funciona como tratamento alternativo, porém, o paciente não deve abrir mão da orientação de um especialista.

A dor deve ser entendida como um sinal do organismo de que algo está errado. É importante lembrar que a dor neuropática é decorrente de outras doenças que também devem ser investigadas e tratadas.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Dor Neuropática    Envelhecimento    Patologia    Nervo    Diabetes   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Dor Neuropática    Envelhecimento    Patologia    Nervo    Diabetes   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.