Geral
09.07.2010

Negros diagnosticados com câncer estão mais propensos a morrer

Estudo da Universidade de Michigan revela que a chance de morrer é duas vezes maior em negros do que em outras raças

Os negros são mais propensos a morrer após um diagnóstico de câncer, que pacientes de outras raças, como aponta uma pesquisa realizada pelo Comprehensive Cancer Center, da Universidade de Michigan (UM).

O relatório mostrou que as pessoas negras com câncer são até duas vezes mais prováveis de morrer da doença quando comparadas aos pacientes de outras raças. Embora as diferenças sejam indicadas para quase todos os tipos de câncer comum, o maiores índices foram percebidos nos cânceres que mais se beneficiam de tratamento. Isso sugere que os negros não estão recebendo os tratamentos necessários.

Uma sobrevida de cinco anos variou em 10% entre negros e brancos com câncer colorretal e em 25% entre pacientes com câncer uterino. Estes tipos da doença podem ser curados através de cirurgias e tratamentos médicos adequados, mas podem ser fatais sem esses cuidados.

De acordo com a revisão, publicada pelo Journal of the American College of Surgeons, essas diferenças são atribuídas a três fatores: os negros são diagnosticados com câncer em fases mais avançadas e estão mais propensos a desenvolver problemas subjacentes; a partir da baixa utilização dos serviços de saúde, eles são menos aconselhados sobre exames de câncer e têm menos probabilidade de receber os tratamentos (cirurgia e quimioterapia); e os hospitais aos quais os negros têm acesso tendem a ter menos recursos e oferecer atendimentos de qualidade inferior.

"O câncer em negros é diagnosticado numa fase posterior, os cuidados que recebem muitas vezes não é tão bom. Doentes de raça negra podem confiar menos em seu médico, eles podem não ter como pagar e os hospitais que os atendem, oferecem menos recursos ", diz o autor do estudo Arden Morris, professor adjunto da cirurgia na UM Medical School e chefe de cirurgia geral no VA Ann Arbor Healthcare System.

Os investigadores recomendam mudanças políticas diversas, incluindo a expansão dos sistemas de seguro público para tornar mais acessível o tratamento do câncer, principalmente para pessoas de baixa condição socioeconômica.

Fonte: Isaude.net