Ciência e Tecnologia
28.10.2013

Estudo com pessoas totalmente cegas mostra como a luz ativa o cérebro

A luz diz ao cérebro se é noite ou dia, garantindo que a nossa fisiologia, metabolismo e comportamento sejam sincronizados

Foto: Ginasanders/Foto Stock
Cérebro pode ver, ou detectar, a luz através de fotorreceptores na camada de células ganglionares da retina
Cérebro pode ver, ou detectar, a luz através de fotorreceptores na camada de células ganglionares da retina

A luz aumenta a atividade cerebral durante a realização de uma tarefa cognitiva, mesmo em pessoas totalmente cegas, segundo estudo realizado na University of Montreal and Boston's Brigham and Women's Hospital .

"Ficamos surpresos ao descobrir que o cérebro ainda tem uma resposta significativa à luz, mesmo nestes pacientes sem absolutamente nenhuma visão consciente. A luz não só nos permite ver, ela diz ao cérebro se é noite ou dia, que por sua vez, garante que a nossa fisiologia, metabolismo e comportamento sejam sincronizados com o tempo ambiental. Para as espécies diurnas como a nossa, a luz estimula a atividade cerebral durante o dia como melhorar a atenção e o humor, o desempenho em muitas tarefas cognitivas, explicou o co-autor sênior Julie Carrier.

Os resultados indicam que o cérebro ainda pode ver, ou detectar, a luz através de fotorreceptores na camada de células ganglionares da retina, diferente dos cones e bastonetes que usamos para ver.

Os cientistas acreditam que, no entanto, estes fotorreceptores especializados na retina também contribuem para a função visual no cérebro, mesmo quando as células da retina responsável pela formação de imagem normal perdem a sua capacidade para receber e processar a luz. Um estudo anterior em um único paciente cego sugeriu que isso era possível, mas a equipe de pesquisa queria confirmar este resultado em pacientes diferentes. Para testar esta hipótese, os três participantes foram convidados a dizer se uma luz azul estava ligada ou desligada. Descobrimos que os participantes, de fato, têm uma consciência não-consciente da luz e foram capazes de determinar corretamente quando a luz estava acesa, explicou o responsável pelo estudo Gilles Vandewalle.

Num segundo teste, os integrantes do estudo foram expostos a luz ao mesmo tempo que um som despertou sua atenção de forma monitorada. O objetivo deste segundo teste era determinar se a luz afetou os padrões cerebrais associados com a atenção.

Finalmente, os participantes foram submetidos a uma tomografia de ressonância magnética funcional enquanto eles realizavam uma tarefa simples de correspondência de sons com luzes piscando em seus olhos. A fMRI revelou que durante a tarefa de memória de trabalho auditivo, menos de um minuto de exposição à uma luz azul ativou regiões do cérebro importantes para executar a tarefa. Essas regiões estão envolvidas na vigilância e regulação de respostas cognitivas como bem-estar, Vandewalle explicou.

Os pesquisadores acreditam que um padrão de rede está ligado à manutenção de uma quantidade mínima de recursos disponíveis para o monitoramento do ambiente quando não estamos ativamente fazendo algo. Se a nossa compreensão deste padrão de rede está correta, os resultados levantam a possibilidade intrigante de que a luz é fundamental para manter a atenção sustentada. Essa teoria pode explicar por que o desempenho do cérebro é melhorada quando a luz está presente durante as tarefas.

Fonte: Isaude.net