Ciência e Tecnologia
03.10.2013

Vacina que reforça ação da BCG é nova esperança contra tuberculose

A vacina, com base em vírus da gripe geneticamente modificado, começou a ser testada em humanos em 2009

Foto: Chantall VanRaay/McMaster University
Zhou Xing (a esq.), professor de Patologia e Medicina Molecular junta com Dra. Fiona Smaill
Zhou Xing (a esq.), professor de Patologia e Medicina Molecular junta com Dra. Fiona Smaill

Pesquisadores da Macmaster University, em Ontário (Canadá) divulgaram, nesta quarta-feira (2) , o sucesso de uma nova esperança na luta global contra a tuberculose em forma de vacina. A droga foi criada para agir como um "reforço" para BCG, atualmente a única vacina contra a tuberculose disponível.

"A BCG foi descoberta na década de 1920 e desde então tem sido utilizada em todo o mundo. A nova vacina tem como objetivo reativar elementos do sistema imunológico que diminuem ao longo do tempo após a vacinação com a BCG," afirmam os pesquisadores.

Depois de quase uma década de testes, os pesquisadores começaram o primeiro ensaio clínico em humanos em 2009, com 24 voluntários saudáveis, incluindo 12 que foram previamente imunizados pela BCG.

"O objetivo primário foi garantir a segurança de uma única dose, bem como as suas condições de ativar o sistema imunitário", disse Zhou Xing, professor de medicina e patologia molecular do Centro de Pesquisa Imunologia da Universidade McMaster.

Em 2012, a equipe conseguiu comprovar a segurança da vacina, observando uma resposta imunológica robusta na maioria dos integrantes do estudo. "Mais ensaios clínicos são necessários para medir o potencial real da vacina antes que ela possa ser levada ao mercado," acrescentou Xing.

"A tuberculose é uma séria ameaça à saúde pública. Um terço da população mundial está infectado com o organismo que causa a tuberculose, e a doença continua a ser a segunda causa de morte infecciosa,atrás apenas do HIV. No entanto, a vacina que temos para seu controle, atualmente, é ineficaz," afirma Fiona Smaill, da Michael G. DeGroote School of Medicine.

Veja o abstract do estudo

Fonte: Isaude.net