Ciência e Tecnologia
28.09.2013

USP recruta pacientes para testar terapias com videogames em casos de AVC

A pesquisa atual selecionou jogos que, além de movimentar o corpo, têm potencial de estimulação cognitiva

Foto: Cecília Bastos/ USP Imagens
Avaliação equilíbrio com paciente: para os idosos saudáveis, o uso dos jogos propicia excelentes resultados
Avaliação equilíbrio com paciente: para os idosos saudáveis, o uso dos jogos propicia excelentes resultados

O Departamento de Fonoaudiologia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Fofito) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) está recrutando pacientes vítimas de Acidente Vascular Encefálico (AVE - nova sigla para AVC) para pesquisas sobre o potencial terapêutico de videogames.

Resultados de levantamentos anteriores apontam que para os idosos saudáveis, o uso dos jogos propicia excelentes resultados no controle da marcha (velocidades e habilidades para andar) e é potencialmente benéfico para prevenir os dois grandes problemas de saúde pública dessa população: o declínio cognitivo, associado à idade, e os problemas de equilíbrio, que aumentam a frequência de quedas, ligadas diretamente à morbidade nessa faixa etária.

Na pesquisa atual, foram selecionados, dentre os games que utilizavam o corpo todo, aqueles que também tivessem potencial de estimulação cognitiva, envolvendo aspectos como memória, atenção e tomada de decisão. Afinal, para atravessar uma rua não basta a habilidade motora (dar os passos), mas também é preciso decidir que velocidade terá a marcha; se é o momento certo de fazer a travessia; como lidar com imprevistos - um cachorro que surge, um carro que avança etc. É, portanto, um casamento entre habilidades motoras e cognitivas.

Os estudos realizados com idosos saudáveis envolviam dois grupos: o controle fazia os exercícios convencionais, enquanto o grupo experimental, além desses, passava também pelo treinamento com o Nintendo Wii. Os testes mostraram que os idosos que fizeram o treinamento com o game melhoraram seu equilíbrio, cognição e funcionalidade em relação aos que fizeram apenas a fisioterapia convencional.

Uma das explicações para esse resultado, de acordo com a professora Maria Elisa Pimentel Piemonte, orientadora dos trabalhos, é que essas pessoas já tinham um bom nível para as habilidades requeridas - mas, quando a complexidade do treino foi aumentada, os integrantes do grupo experimental manifestaram um potencial que estava latente.

Para idosos saudáveis, portanto, do ponto de vista de política de saúde, o impacto potencialmente benéfico é muito maior, considera a pesquisadora, porque eles podem comprar o jogo e operá-lo em casa, sem a necessidade de assistência de um fisioterapeuta.

Para pacientes com doença de Parkinson, também há vantagens em associar os games à fisioterapia convencional, mas é preciso tomar vários cuidados: nem todos os jogos servem a todos os propósitos, e também é necessário contar com a presença de um profissional para dar assistência. "Não é mágica, não se aplica a todo mundo. Há recomendações de uso e é preciso selecionar bem os jogos", diz a professora

Quem pode participar

Para as pesquisas em andamento com pacientes de AVE no Laboratório de Aprendizagem Sensório-Motora do Fofito, foram selecionados jogos que forçam a simetria. A razão é que essas pessoas vivem uma assimetria: um dos seus lados se movimenta mais que o outro, numa relação chamada contralateral em relação ao hemisfério cerebral atingido se foi o hemisfério direito, o lado do corpo afetado será o esquerdo, e vice-versa.

Depois da adaptação e da avaliação inicial, os pacientes vão passar por um treinamento de catorze sessões com os jogos ao longo de sete semanas. Ao final, o estudo espera determinar quando ocorre a aprendizagem e se as habilidades de equilíbrio desenvolvidas terão repercussão nas atividades do dia a dia. Três pesquisas de mestrado e uma de doutorado vão se basear nesses testes clínicos.

Os pacientes interessados precisam ter tido o AVE há pelo menos seis meses e têm que ser capazes de ficar em pé para conseguir jogar. Informações na secretaria do Fofito, pelo fone (11) 3091-7451, com Rose.

Fonte: Isaude.net