Ciência e Tecnologia
11.09.2013

Ômega-3 pode prevenir demência relacionada ao álcool

O uso do óleo de peixe diminuiu em 95% a morte celular em cérebros de ratos expostos à grandes quantidades de álcool

Foto: Lorenzo Rossi/Stock Photo
Óleo de peixe pode ajudar a proteger o cérebro contra a demência relacionada ao exessivo consumo de álcool
Óleo de peixe pode ajudar a proteger o cérebro contra a demência relacionada ao exessivo consumo de álcool

O óleo de peixe Omega-3 pode ajudar a proteger contra a demência relacionada ao álcool, de acordo com estudo apresentado no 14 º Congresso da Sociedade Europeia para a Investigação Biomédica sobre Alcoolismo, que está sendo realizado em Varsóvia, na Polônia.

O estudo, conduzido por pesquisadores da Loyola University Chicago Stritch School of Medicine, analisou as células do cérebro de ratos que haviam sido expostos à grandes quantidades de álcool.

Em um estudo anterior, realizado pela mesma equipe de investigação, foi descoberto que beber de forma moderada (cerca de dois drinques por dia para homens e uma para mulheres) poderia reduzir o risco de declínio cognitivo e demência.

A pesquisa mostrou que pequenas quantidades de álcool podem melhorar a aptidão das células cerebrais, por "endurecer-las" para lidar com o estresse que leva à demência. No entanto, o mesmo estudo comprovou que elevadas quantidades de álcool podem "esmagar" as células, levando à inflamação e a morte celular.

De acordo com a Alzheimer's Society, a demência relacionada ao álcool (muitas vezes referida como a síndrome de Wernicke-Korsakoff), é diagnosticada em cerca de 1 em cada 8 pessoas com alcoolismo. Estudos têm demonstrado que a condição é mais comum nos homens entre as idades de 45 e 65, com uma longa história de abuso de álcool.

Para este estudo, os pesquisadores avaliaram as células do cérebro de ratos adultos que foram expostos à grandes quantidades de álcool (o equivalente a um ser humano consumindo quatro vezes o limite legal de álcool para dirigir).

As células foram então comparadas com as células do cérebro que foram expostos ao óleo de peixe omega-3 - ácido docosahexanóico (DHA) - juntamente com a mesma quantidade de álcool.

Os resultados mostraram que as células do cérebro expostas à combinação de óleo de peixe e de álcool tiveram uma diminuição de quase 95% nos processos inflamatórios e de morte celular em comparação com as células do cérebro que foram expostos ao álcool sem o omega-3.

"Nós descobrimos que a presença de DHA reduz significativamente ou elimina a morte neuronal. O cérebro contém níveis significativos de DHA endógeno em membranas, mas esta presença é reduzida pelo consumo excessivo de álcool, o que pode ser solucionado com uma suplementação. Além disso, existem certos passos críticos 'neuroinflamatórios' das enzimas que podem levar à morte neuronal, possivelmente aumentando a radicais livres de oxigénio. Estes processos são aumentados com o consumo excessivo do álcool e podem ser balanceados com a suplementação de DHA," afirma o autor do estudo Michael Collins.

Fonte: Isaude.net