Geral
22.08.2013

Identificadas células imunes migratórias que influenciam o humor

Estudo sugere que interação mente-corpo durante estresse prolongado promove sintomas de ansiedade em animais

Pesquisadores da Universidade de Ohio, nos EUA, descobriram que o humor é influenciado por células imunes que são recrutadas para o cérebro durante períodos de estresse.

A pesquisa revela que a interação dinâmica mente-corpo durante a interpretação do estresse prolongado promove sintomas de ansiedade.

Os resultados oferecem uma nova explicação sobre como o estresse pode levar a transtornos do humor e identifica um subconjunto de células do sistema imunológico, chamadas monócitos, que poderiam ser alvo de medicamentos para o tratamento de transtornos do humor.

A pesquisa também revela novas maneiras de pensar sobre os mecanismos celulares por trás dos efeitos do estresse.

Segundo os pesquisadores, o cérebro sob estresse prolongado envia sinais para a medula óssea, chamando os monócitos. As células, então, viajam para regiões específicas do cérebro e geram inflamação que provoca um comportamento semelhante à ansiedade.

Em experiências realizadas em ratos, a pesquisa demonstrou que a exposição repetida ao estresse causou uma maior concentração de monócitos que migram para o cérebro. As células de vasos sanguíneos penetraram o tecido cerebral em várias áreas ligadas ao medo e à ansiedade, incluindo o córtex pré-frontal, hipocampo e amígdala, e a sua presença levou a um comportamento semelhante ao de ansiedade nos ratos.

"Na ausência de dano tecidual, temos células que migram para o cérebro em resposta a região do cérebro que é ativada pelo estressor. Neste caso, as células são recrutadas para o cérebro por meio de sinais gerados pela interpretação do animal da derrota social como estressante", afirma o autor sênior da pesquisa John Sheridan.

De acordo com a equipe, o estudo mostra que algo fora do sistema nervoso central, algo do sistema imunológico, tem um efeito profundo sobre o comportamento.

Eles afirmam que estas descobertas não se aplicam a todas as formas de ansiedade, mas representam um divisor de águas na pesquisa sobre distúrbios de humor relacionados ao estresse.

Fonte: Isaude.net