Ciência e Tecnologia
17.08.2013

Nanosensor torna fabricação de medicamentos mais segura e eficiente

Matrizes de nanotubos de carbono podem detectar falhas em remédios e ajudar a melhorar a produção

Pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology, nos EUA, descobriram que nanosensores têm propriedades únicas capazes de ajudar as empresas farmacêuticas a produzirem medicamentos, especialmente aqueles baseados em anticorpos, de forma mais segura e eficiente.

Usando esses sensores, os pesquisadores foram capazes de reproduzir as variações na força de ligação de drogas baseadas em anticorpos, que podem tratar o câncer e outras doenças.

"Isso pode ajudar as empresas farmacêuticas a descobrir por que certas formulações de medicamentos funcionam melhor do que outras, e pode ajudar a melhorar a sua eficácia", afirma o pesquisador Michael Strano.

A equipe também demonstrou como matrizes de nanosensores poderiam ser usadas para determinar quais células de uma população células produtoras de drogas modificadas geneticamente são mais produtivas ou desejáveis.

Para as drogas à base de anticorpos serem eficazes, devem ligar-se fortemente a o seu alvo. No entanto, o processo de fabrico, que depende de células manipuladas, nem sempre geram ligações consistentes e uniformes com anticorpos.

Atualmente, as empresas farmacêuticas usam processos demorados e caros para testar cada lote. No entanto, o novo sensor pode tornar este processo muito mais rápido, permitindo que os pesquisadores não só melhorem o monitoramento e controlem a produção, mas também refinem o processo de fabricação para gerar um produto mais consistente.

Outra característica útil destes sensores é a sua capacidade de medir as interações de ligação muito fracas, o que também pode ajudar na fabricação de drogas à base de anticorpos.

Os anticorpos são normalmente revestidos com longas cadeias de açúcar através de um processo chamado de glicosilação. Estas cadeias de açúcar são necessárias para as drogas, para ser eficaz, mas elas são extremamente difíceis de detectar porque interagem fracamente com outras moléculas.

Sem a glicosilação adequada, os anticorpos entregues a um paciente podem provocar uma resposta imunitária indesejada ou serem destruídos por células do corpo, tornando-os inúteis.

A nova ferramenta pode ajudar os pesquisadores a determinar as condições ideais para o grau correto de glicosilação ocorrer, tornando mais fácil produzir medicamentos eficazes.

Os pesquisadores criaram um protótipo do sensor que planejam testar com a Novartis, empresa que financiou a pesquisa.

Veja mais detalhes sobre esta pesquisa (em inglês).

Fonte: Isaude.net