Geral
09.08.2013

OMS reage a estudo que diz que novo coronavírus infectou humanos por camelos

Representantes da OMS e FAO afirmam que a afirmação é prematura e que o estudo só encontrou anticorpos nos animais

Agências da ONU reagiram a um estudo que sugere que o vírus da Síndrome Respiratória do Médio Oriente ou "outro muito semelhante" teria infectado aos humanos a partir de populações de camelos.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Organização para Agricultura e Alimentação (FAO) consideraram prematuro concluir o tipo de animal que teria sido responsável pela transmissão.

De acordo com as agências, a pesquisa feita em camelos dromedários "fornece algumas informações adicionais", ao ter encontrado anticorpos do vírus. O trabalho foi realizado pelo Instituto Nacional de Saúde Pública e Meio Ambiente da Holanda e publicado no boletim The Lancet.

O porta-voz da OMS em Genebras, Tarik Jasarevic, disse que não houve deteção do próprio vírus nos camelos.

Ele afirmou que a descoberta de anticorpos indicava ter havido uma infecção anterior com este ou um vírus semelhante. "Como disse, os animais foram infectados em certo momento, sendo necessário encontrar o proprio vírus para concluir que é o mesmo que o detectado nos humanos".

Em comunicado, a FAO aponta que as amostras foram recolhidas onde não houve registo de casos humanos, além de que os camelos testados foram isolados a partir de outros animais da mesma espécie por muitos anos.

A OMS afirmou, ainda, que os resultados indicam que o anticorpo do vírus encontrado ou de um coronavírus similar "ocorre em alguns camelos e, potencialmente, de outras espécies."

No entanto, isolar o vírus nas diferentes espécies e compará-las geneticamente seria "a única maneira de saber com certeza se o vírus que afecta os seres humanos é o mesmo que o encontrado nos camelos.

Próximo passo

A OMS defende que o próximo passo crítico para as investigações dos animais seria encontrar o próprio vírus num deles ou em populações de camelos, o que ainda não teria acontecido.

A entidade chama a atenção para o facto dos resultados não fornecerem quaisquer ideias, por si só, sobre a forma como os seres humanos se tornaram infectados.

A maioria dos casos humanos relatados havia adquirido a infecção através do contacto com outros seres humanos infectados. Mesmo nos casos esporádicos não houve relatos de contacto direto com camelos, completa nota da OMS.

Desde que foi identificado, no ano passado, foram registados 96 casos confirmados e 46 mortos devido ao novo coronavírus.

Fonte: Isaude.net