Saúde Pública
02.08.2013

ONU pede ao Uruguai que reconsidere projeto sobre a maconha

Legalização foi aprovada pela Câmara e chega ao Senado. ONU afirma que liberação afeta seriamente saúde dos uruguaios

Foto: GW Pharmaceuticals
Caso a lei seja aprovada, uruguaios e estrangeiros residentes poderão comprar até 40 gramas de maconha por mês em farmácias
Caso a lei seja aprovada, uruguaios e estrangeiros residentes poderão comprar até 40 gramas de maconha por mês em farmácias

O Painel Internacional de Controle de Narcóticos (Inbc) pediu ao Uruguai para reconsiderar um projeto de lei que legaliza a maconha. A proposta, aprovada pela Câmara do país na noite de quarta-feira (31) segue agora para o Senado.

Segundo agências de notícias, o projeto teria o apoio do presidente uruguaio José Mujica e prevê a criação de um órgão do governo para controlar a produção e a distribuição da droga.

Se a lei for sancionada pelo presidente, uruguaios e estrangeiros residentes poderão comprar até 40 gramas de maconha por mês em farmácias.

Segundo a ONU, a lei iria contra os tratados internacionais de controle de drogas, em particular a Convenção sobre Narcóticos, de 1961, da qual o Uruguai faz parte.

O Inbc diz que sempre tentou manter o diálogo com o governo, propondo inclusive o envio de uma missão de alto nível ao país, antes que o projeto de lei fosse votado. Mas o governo do Uruguai teria se recusado a receber a missão.

O órgão faz um apelo às autoridades, pela garantia da limitação do uso de narcóticos, incluindo a canabis, exclusivamente para fins médicos e científicos.

Para o painel, se a lei for adotada, poderão haver "sérias consequências para a saúde e bem-estar da população e para a prevenção do uso da maconha entre jovens".

Fonte: Isaude.net