Saúde Pública
03.08.2013

Brasil precisa de mais bancos de leite, afirmam especialistas

O país tem 211 serviços do tipo em funcionamento para atender 1,5 milhão mulheres com problemas de aleitamento materno

Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Mulheres que têm excesso de produção de leite devem contribuir com os bancos de leite
Mulheres que têm excesso de produção de leite devem contribuir com os bancos de leite

Na Semana Mundial de Aleitamento Materno, o chefe de um dos principais bancos de leite do país, o Instituto Fernandes Figueira do Rio de Janeiro, Franz Reis Novak, disse, nesta sexta-feira (2), que há no Brasil 211 serviços do tipo em funcionamento para atender 1,5 milhão mulheres com problemas relacionados ao aleitamento materno. Segundo ele, o número é muito pequeno.

Franz Novak, lembrou que as mulheres que têm excesso de produção de leite devem contribuir com os bancos de leite. "Antigamente as mães jogavam o leite fora, porque o leite precisa ser drenado, para terapia da mama da mulher. Agora, com os bancos de leite, nós pedimos às mulheres que façam a doação. O leite doado é transportado ao banco para pasteurização e controle de qualidade, para alimentar crianças prematuras", ressaltou.

A presidenta do Comitê de Aleitamento Materno da Sociedade Paulista de Pediatria, vinculado à Sociedade Brasileira de Pediatria, Marisa da Mata Aprile, ressaltou que a criança amamentada no peito é beneficiada pela proteção afetiva e física.

"Além do contato com a mãe, que desenvolve o emocional desde criança, há a proteção contra doenças na infância. Os riscos são menores por conta dos anticorpos que a mãe passa para o filho", destacou Marisa Aprile. Ela reforça que o "leite materno tem um sistema de imunização para a criança porque tem células vivas que protegem. São vários fatores que diminuem o número de infecções."

Fonte: AGÊNCIA BRASIL