Ciência e Tecnologia
29.07.2013

Circuitos mais finos do mundo abrem caminho para "eletrônica imperceptível"

Os circuitos poderão ser usados em sistemas monitoramento de saúde, instrumentos médicos e peles robóticas

Reprodução:DiginfoNews
Protótipo desenvolvido durante os estudos é um sensor de toque, com uma matriz de 12x12 sensores em um circuito de 4,8 x 4,8 centímetros
Protótipo desenvolvido durante os estudos é um sensor de toque, com uma matriz de 12x12 sensores em um circuito de 4,8 x 4,8 centímetros

Pesquisadores da Ásia e Europa desenvolveram o mais leve e fino circuito orgânico do mundo que, em um futuro próximo, pode ser usado em uma variedade de aplicações de saúde. A partir desta novidade poderão ser desenvolvidos sistemas de saúde de monitoramento, instrumentos médicos, e até mesmo peles robóticas.

Os circuitos são extremamente leves, flexíveis, duráveis e finos, e adaptáveis à qualquer superfície. Eles têm 2 microns de espessura, pesando apenas 3g/m² (30 vezes mais leve uma folha de papel ou mais leves que uma pena). Eles também possuem um raio de curvatura de 5 microns, o que significa que podem ser amassados em uma bola, sem se romper. Devido a essas propriedades, os pesquisadores já os estão chamando de "imperceptible electronics" (eletrônicos imperceptíveis), que podem ser colocados em qualquer superfície e até mesmo usado sem restringir o movimento de usuários.

Se colocado sobre uma superfície de borracha, torna-se extensível, capaz de suportar até 233% de tensão de tração, enquanto retém a funcionalidade completa. Outra grande vantagem é sua fabricação em em rolos de filme plástico, facilitando sua produção em série, com conseguente diminuição de custo.

O protótipo desenvolvido durante os estudos é um sensor de toque, com uma matriz de 12x12 sensores em um circuito de 4,8 x 4,8 centímetros. Ela é composta de duas camadas, uma de circuito integrado e outra sensor táctil. "Acredito que este desenvolvimento vai abrir uma ampla gama de novas aplicações," afirma Someya

A pesquisa esta sendo realizada por um grupo liderado pelos professores Takao Someya e Tsuyoshi Sekitani, da Universidade de Tóquio, que participam do Exploratory Research for Advanced Technology (ERATO) programa patrocinado pela Japan Science and Technology Agency (JST), em colaboração com o grupo de Siegfried Bauer na Johannes Kepler University (JKU) Linz, na Áustria.

Os resultados desta pesquisa foram publicados no 25 de julho de 2013 edição da revista Nature.

DiginfoNews
Circuitos são extremamente leves, flexíveis, duráveis e finos, e adaptáveis à qualquer superfície

Fonte: Isaude.net