Profissão Saúde
25.07.2013

Médicos paulistas prometem megapasseata contra o governo

O protesto esta marcado para dia 31 de julho. Os profissionais lutam pela fim do Mais Médicos e mudanças no Ato Médico

Foto: ASCOM CREMESP
Concentração está marcada na sede APM de onde a passeata sai pelas Avenidas Brigadeiro Luiz Antônio, Paulista até à sede do CREMESP
Concentração está marcada na sede APM de onde a passeata sai pelas Avenidas Brigadeiro Luiz Antônio, Paulista até à sede do CREMESP

Na próxima quarta-feira, 31 de julho, médicos, estudantes e residentes do estado de São Paulo prometem um mega protesto contra o Programa Mais Médicos.

A concentração está marcada na sede da Associação Paulista de Medicina de onde a passeata sai pelas Avenidas Brigadeiro Luiz Antônio, Paulista até à sede do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), na Rua da Consolação.

Segundo as entidades, " os médicos querem a derrubada da Medida Provisória 621, que prevê a abertura de mais vagas em escolas médicas, a contratação de médicos estrangeiros sem a revalidação de diplomas (Revalida) e serviço civil obrigatório para estudantes de Medicina, com o acréscimo de dois anos na duração dos cursos para trabalho no Sistema Único de Saúde, entre outros temas polêmicos. Também protestam contra os dez vetos da Presidência da República à Lei 12.842/2013, que regulamenta a profissão de médico (Ato Médico)."

Nos últimos dias, médicos de todo o país tem realizado uma série de protestos contra as recentes decisões do Governo Federal, como passeatas, atos públicos, e paralisações em diversas cidades e estados. Em São Paulo, houve passeatas nos dias 3 de julho, na Avenida Paulista; e em 16 de julho, com " milhares de médicos" protestando nas ruas do centro da capital; e um apitaço contra o ministro da Saúde Alexandre Padilha no dia 23 de julho.

As entidades também entraram com ações judiciais contra a MP 621 (Conselho Federal de Medicina (CFM), no dia 19 de julho, e Associação Médica Brasileira (AMB), dia 23).

Fonte: Isaude.net