Ciência e Tecnologia
16.07.2013

Pessoas que aposentam mais tarde estão em menor risco de desenvolver Alzheimer

O estudo foi apresentado pelo instituto francês INSERM durante a Conferência Internacional da Associação de Alzheimer

Foto: AG Fiocruz
Segundo pesquisa, cada ano a mais de trabalho corresponde a uma redução de 3,2% no risco de demência
Segundo pesquisa, cada ano a mais de trabalho corresponde a uma redução de 3,2% no risco de demência

Pessoas que adiam a aposentadoria podem ter menos risco de desenvolver a doença de Alzheimer ou outros tipos de demência, de acordo com trabalho apresentado, nesta segunda-feira (15), na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer em Boston.

Embora não se conheça a causa do Alzheimer e ainda não existam tratamentos eficazes que retardem a sua progressão, o trabalho tende a manter as pessoas fisicamente ativas, socialmente conectadas e com menos problemas mentais.

Os pesquisadores analisaram registros de 429 mil trabalhadores, a maioria comerciantes ou artesãos (como padeiros e marceneiros), com media de idade de 74 anos e com cerca de 12 anos de aposentadoria.

"Para cada ano adicional de trabalho, o risco de contrair demência foi reduzido em 3,2%", disse Carole Dufouil, pesquisadora da Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica (INSERM), do governo francês, instituição responsável pelo estudo.

" Uma pessoa que se aposentou aos 65 anos apresentou um risco 15 % menor de desenvolver doenças neurodegenerativas em comparação com alguém se aposentou aos 60 anos," disse Dufouil.

Heather Snyder, diretor de operações médicas e científicas da Associação de Alzheimer afirmou que "é importante para qualquer pessoa permanecer mental e socialmente ativa, mantendo atividades que lhe sejam agradáveis."

Fonte: Isaude.net