Geral
28.06.2013

Resposta de prazer do cérebro a alimentos pode ser medida através dos olhos

Método que utiliza ferramenta oftalmológica é útil para aplicações na prevenção da obesidade e da dependência alimentar

Foto: Ivan Becarevic/Foto Stock
Dopamina está associada com uma variedade de efeitos relacionados com o prazer do cérebro, incluindo a expectativa de recompensa
Dopamina está associada com uma variedade de efeitos relacionados com o prazer do cérebro, incluindo a expectativa de recompensa

A resposta de prazer do cérebro para a degustação de alimentos pode ser medida através dos olhos, utilizando uma ferramenta oftalmológica de baixo custo. É o que revela estudo de pesquisadores da Drexel University, nos EUA.

Método pode ser útil para aplicações nas áreas de pesquisa e clínica para a dependência alimentar e prevenção da obesidade.

Os resultados foram publicados na revista Obesity.

Jennifer Nasser e seus colegas testaram o uso de eletrorretinografia (ERG) para indicar o aumento do neurotransmissor dopamina através da retina.

A dopamina está associada com uma variedade de efeitos relacionados com o prazer do cérebro, incluindo a expectativa de recompensa. Na retina do olho, a dopamina é liberada quando o nervo óptico é ativado em resposta à exposição à luz.

Nasser e seus colegas descobriram que os sinais elétricos na retina aumentaram em resposta a um flash de luz quando um estímulo alimentar (pequeno pedaço de brownie de chocolate) foi colocado na boca dos participantes.

O aumento foi tão grande quanto o observado quando os participantes receberam o fármaco estimulante metilfenidato para induzir uma forte resposta da dopamina. Estas respostas na presença de estímulos de alimentos e medicamentos foram cada uma, significativamente maiores do que a resposta à luz quando os participantes ingeriram uma substância de controle, a água.

"O que torna tão interessante é que o sistema de dopamina do olho foi considerado em separado do resto do sistema de dopamina do cérebro. Então, a maioria das pessoas diria que provar um alimento que estimula o sistema de dopamina do cérebro não teria um efeito sobre o sistema de dopamina do olho", observa Nasser.

Se a técnica for validada através de estudos adicionais e maiores, Nasser afirma que ela e outros pesquisadores podem usar ERG para estudar o vício em comida. "Minha pesquisa tem uma abordagem farmacológica para a resposta do cérebro à comida. A comida é tanto um sistema de entrega de nutrientes quanto um sistema de entrega de prazer, e um ' efeito colateral' é o excesso de calorias. Eu quero maximizar o prazer e o valor nutricional dos alimentos, mas minimizar os efeitos colaterais. Precisamos de ferramentas mais fáceis para fazer isso", conclui Nasser.

Fonte: Isaude.net