Ciência e Tecnologia
27.06.2013

Equipe dos EUA cria microbateria capaz de carregar pequenos implantes médicos

Ferramenta desenvolvida por meio da impressão em 3D fornecer eletricidade para dispositivos minúsculos inseridos no corpo

Foto: University of Illinois
Imagem mostra a o entrelaçado de eléctrodos impressos camada por camada
Imagem mostra a o entrelaçado de eléctrodos impressos camada por camada

A técnica de impressão em 3D pode ser usada para imprimir microbaterias de íon de lítio capazes de fornecer eletricidade para dispositivos minúsculos inseridos no corpo humano, como marca-passos, de acordo com pesquisadores das universidades de Harvard e de Illinois, nos EUA.

Para criar a microbateria, uma impressora 3D expulsa tintas especiais através de um bocal mais estreito do que um cabelo humano. Essas tintas se solidificam para criar ânodo e o cátodo da bateria, camada por camada. Um caixa, em seguida, engloba os eletrodos e a solução de eletrólitos adicionada para criar uma microbateria funcional.

Os resultados foram publicados na revista Advanced Materials.

Nos últimos anos, os engenheiros têm inventado muitos dispositivos miniaturizados. Mas muitas vezes as baterias que criam são tão grandes ou maiores do que os próprios dispositivos, o que elimina o propósito de construir estruturas pequenas.

Para contornar este problema, os fabricantes têm utilizado filmes finos de materiais sólidos para construir os eletrodos. No entanto, devido ao seu design ultrafino, essas microbaterias de estado sólido não carregam energia suficiente para alimentar dispositivos miniaturizados.

Agora, os cientistas, liderados por Jennifer Lewis, perceberam que poderiam colocar mais energia, se pudessem criar pilhas de eletrodos ultrafinos fortemente entrelaçados. Para isso, eles se voltaram para a impressão 3D.

Para imprimir eletrodos em 3D, o grupo criou e testou várias tintas especializadas. Ao contrário da tinta na impressora a jacto de tinta de escritório, que sai como gotículas de líquido que molha a página, as tintas para impressão 3D devem satisfazer duas exigências difíceis. Elas devem sair de bicos finos como o creme dental de um tubo, e devem imediatamente endurecer em sua forma final.

"O design inovador da microbateria vai expandir dramaticamente os usos práticos de impressão 3D, e, simultaneamente, abrir novas possibilidades de miniaturização de todos os tipos de dispositivos, médicos e não médicos. É tremendamente excitante", concluem os pesquisadores.

Fonte: Isaude.net