Profissão Saúde
15.06.2013

AMB processa ministro da Saúde por improbidade administrativa

De acordo com a entidade, o ministério deixou de utilizar R$ 17 bilhões do orçamento entre os anos de 2011 e 2012

Foto: Elza Fiúza/ABr
Alexandre Padilha, ministro da Saúde, está sendo acusado de deixar de utilizar R$ 17 bilhões do orçamento do Ministério
Alexandre Padilha, ministro da Saúde, está sendo acusado de deixar de utilizar R$ 17 bilhões do orçamento do Ministério

A Associação Médica Brasileira entrou com ação de responsabilidade por ato de improbidade administrativa contra o minstro Alexandre Padilha, por deixar de utilizar R$ 17 bilhões do orçamento do ministério da Saúde entre os anos de 2011 e 2012.

" Com esse dinheiro seria possível fazer 38 mil cirurgias de hérnia, construir 68 mil postos de saúde ou contratar 627 mil médicos por 40 horas/semanais pagando R$ 20.824,00 já com os encargos" , explicou Florentino Cardoso, presidente da AMB.

Segundo dados do Relatório de Desenvolvimento Humano da Organização das Nações Unidas (ONU), divulgado em maio deste ano, o índice de satisfação com a qualidade e o atendimento à saúde no Brasil é de 44%, enquanto a média da América Latina é de 57%. O índice de aprovação brasileiro também é menor do que a média mundial, de 61%.

Uma das perguntas do questionário era: "Em seu país, você confia nos hospitais e no sistema de saúde oferecido?" O Brasil ficou na 108ª posição em comparação a 126 países. Nenhum país da América Latina teve índice de satisfação tão baixo quanto o Brasil - a exceção é o Haiti, em que só 35% da população afirmou confiar no sistema de saúde.

O país também perde em grau de satisfação para países como Afeganistão (46% de aprovação), Serra Leoa (46%), Camarões (54%) e Senegal (57%), países conhecidos pela extrema pobreza e que, teoricamente, estariam em condição de desenvolvimento muito inferior à brasileira.

Fonte: AMB