Saúde Pública
07.06.2013

Porto Alegre registra maior infestação por Aedes aegypti dos últimos 10 anos

Os resultados de levantamento realizados em 82 bairros da capital mostram um Indice de Infecção Predial quase 20% maior

Foto: Divulgação/PMPA
Vigilância Municipal em Saúde realiza ação contra dengue. Números mostram que o Índice de Infestação Predial (IIP) médio da cidade subiu de 4,6% em janeiro para 5,8% em abril
Vigilância Municipal em Saúde realiza ação contra dengue. Números mostram que o Índice de Infestação Predial (IIP) médio da cidade subiu de 4,6% em janeiro para 5,8% em abril

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) divulgou, nesta quinta-feira (6), o resultado do Levantamento de Índice Rápido de Aedes aegypti (LIRAa), realizado de 8 a 16 de abril, a partir de amostras coletadas em todos os 82 bairros de Porto Alegre. Os números mostram que o Índice de Infestação Predial (IIP) médio da cidade subiu de 4,6% em janeiro para 5,8% em abril, valor considerado preocupante pois é o maior IIP médio registrado na cidade, desde 2003, quando esta metodologia começou a ser empregada na capital.

Os resultados indicam um incremento na densidade de larvas de mosquitos identificadas e níveis alarmantes de infestação de Aedes aegypti em Porto Alegre em 2013. A presença de Aedes aegypti foi verificada em 77 dos 82 bairros amostrados, sendo que em apenas cinco não foram identificadas larvas do mosquito vetor da dengue. A amostragem do LIRAa atingiu 12.640 imóveis na cidade. A presença de larvas do mosquito foi identificada em 1.112 recipientes encontrados em 727 imóveis.

Confira quadro comparativo com o último levantamento realizado em janeiro de 2013

Em nove bairros os índices de infestação calculados eram superiores a 10%, indicando condição de risco elevado para a transmissão do vírus da dengue. Verifica-se uma ampliação da distribuição geográfica do mosquito, com grandes densidades para as áreas Centro Sul e Norte, além de consolidação na zona Leste da cidade. Apenas o extremo sul do município ainda apresentou índices baixos de infestação (confira mapa com a distribuição geográfica do IIP em Porto Alegre).

Maria Mercedes Bendati, do Controle Operacional da Dengue, destaca a importância da notificação dos casos de suspeita da doença. " A identificação de casos suspeitos permite avaliar o risco de transmissão de acordo com nível de infestação do mosquito existente. São para estas regiões da cidade que intensificamos ações de controle da transmissão"

Padrões de trabalho

De acordo com as Diretrizes Nacionais para Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue (2009), os parâmetros para classificação quanto à infestação pelo Aedes aegypti, são: menor que 1%, satisfatório; entre 1 e 3,9%, alerta; e acima de 3,9%, alto risco. Nesse sentido, o LIRAa registrou também IIPs elevados em diversas áreas da cidade (confira quadro comparativo com o último levantamento realizado em janeiro de 2013), sendo que o maior índice, de 14,2%, foi encontrado em bairros da zona Sul, que no levantamento anterior não apresentavam esses níveis de infestação. Os número obtidos apontam ainda para um aumento expressivo nos índices da maioria dos bairros com infestação acima de 1%, ampliando a distribuição espacial e a densidade de Aedes aegypti na cidade

Fonte: Isaude.net