Geral
27.05.2013

Sistema permite inalação de drogas quimioterápicas para tratar câncer de pulmão

Testes mostraram que abordagem reduz danos a outros órgãos, minimizando efeitos adversos da quimioterapia

Investigadores dos Estados Unidos desenvolveram um novo sistema de entrega de droga que permite a inalação de medicamentos quimioterápicos para ajudar no tratamento do câncer de pulmão.

Em testes de laboratório e testes com animais, o sistema parece reduzir o dano para outros órgãos, melhorando significativamente o tratamento de tumores do pulmão.

Este avanço na nanomedicina combina o tamanho pequeno de nanopartículas, medicamentos existentes contra o câncer e pequeno RNA interferente (siRNA) que interrompe a capacidade das células cancerosas para resistir a um ataque.

A combinação destas forças resultou no desaparecimento de tumores pulmonares em experimentos animais.

As descobertas foram publicadas apenas no Journal of Controlled Release.

"Os danos do câncer de pulmão geralmente não são localizados, o que torna a quimioterapia uma parte importante do tratamento. No entanto, os medicamentos utilizados são tóxicos e podem causar danos aos órgãos e efeitos secundários graves se dados convencionalmente através de uma administração intravenosa. Um sistema de entrega de drogas que pode ser inalado é uma abordagem muito mais eficiente, tendo como alvo apenas as células cancerosas, tanto quanto possível", afirma o pesquisador Oleh Taratula, da Oregon State University.

Segundo os pesquisadores, outras abordagens quimioterapêuticas somente tendem a suprimir tumores, mas este sistema parece eliminá-los.

Ao ser inalado, este sistema também evita a degradação dos agentes quimioterápicos que ocorre quando eles são injetados. Eles chegam de forma mais intacta, pronta para fazer o seu trabalho em células de câncer de pulmão, além de minimizar os efeitos colaterais.

Na quimioterapia mais convencional para o câncer de pulmão, os medicamentos tendem a acumular-se no fígado, rim e baço, com muito menos da droga chegando ao pulmão.

No estudo atual, a quantidade de fármaco distribuída aos pulmões aumentou para 83% com a abordagem de inalação, comparado com 23% por meio da injeção.

A patente está sendo aplicada para a tecnologia, e mais testes serão necessários antes que esteja pronto para testes clínicos em humanos.

Fonte: Isaude.net