Geral
24.05.2013

Equipe dos EUA elimina sintomas da esquizofrenia em modelos de ratos

Estudo sugere que doença pode ser tratada reduzindo níveis excessivos do gene neuregulin-1 ou bloqueando seus efeitos patológicos

Foto: Phil Jones/Georgia Regents University
Lin Mei, Dongmin Yin e Yongjun Chen (da esq. p/ dir.), pesquisadores envolvidos no estudo
Lin Mei, Dongmin Yin e Yongjun Chen (da esq. p/ dir.), pesquisadores envolvidos no estudo

Equipe de pesquisadores da Georgia Regents University, nos EUA, conseguiu eliminar os sintomas da esquizofrenia em um modelo de rato.

A pesquisa sugere que a superexpressão de um gene associado com a esquizofrenia provoca sintomas clássicos da doença, que podem ser revertidos quando a expressão do gene retorna ao normal.

Eles modificaram geneticamente camundongos para que pudessem aumentar os níveis de neuregulin-1 para simular os níveis elevados encontrados em alguns pacientes e, em seguida, retornar para níveis normais.

Os resultados mostraram que, quando os níveis eram elevados, os ratos eram hiperativos, não conseguiam lembrar o que tinham acabado de aprender e não podiam ignorar fundo perturbador ou ruído branco. Quando eles retornaram os níveis neuregulina-1 ao normal em ratos adultos, os sintomas da esquizofrenia desapareceram.

A pesquisa foi publicada na revista Neuron.

Enquanto a esquizofrenia é geralmente considerada uma doença que aparece na idade adulta, Lin Mei e seus colegas descobriram que, mesmo quando eles mantiveram níveis de neuregulin-1 normais até a idade adulta, os ratos ainda exibiram sintomas da esquizofrenia uma vez que eles aumentaram os níveis.

Sem a intervenção, os animais desenvolveram sintomas mais ou menos na mesma idade seres que os humanos fazem.

"Isso mostra que altos níveis de neuregulin-1 são a causa da esquizofrenia, pelo menos em ratos, porque quando você reduz a expressão do gene, o déficit de comportamento desaparece. Nossos dados sugerem que, certamente, podemos tratar esta causa reduzindo os níveis excessivos de neuregulin-1 ou bloqueando seus efeitos patológicos", conclui Mei.

Fonte: Isaude.net