Ciência e Tecnologia
24.05.2013

Tratamento com sangue do cordão umbilical reverte estado vegetativo na Alemanha

Dois meses após terapia com células-tronco, menino com paralisia cerebral pode sentar, sorrir e pronunciar palavras

Foto: Ruhr-University Bochum
Paciente se encontra num estado vegetativo antes do transplante de células do sangue do cordão umbilical
Paciente se encontra num estado vegetativo antes do transplante de células do sangue do cordão umbilical

Médicos da Ruhr-University Bochum, na Alemanha, conseguiram tratar a paralisia cerebral com células autólogas do sangue do cordão umbilical.

Depois de uma parada cardíaca com graves danos cerebrais, um menino de 2 anos e meio entrou em um estado vegetativo persistente, com chances mínimas de sobrevivência. Apenas dois meses após o tratamento com o sangue do cordão umbilical contendo células-tronco, os sintomas melhoraram significativamente, ao longo dos meses seguintes, a criança aprendeu a falar frases simples e a se mover.

"Nossos resultados, juntamente com os de um estudo coreano, dissipam as dúvidas de longa data sobre a eficácia do novo tratamento," afirma o pesquisador Arne Jensen.

Após a parada cardíaca no final de novembro de 2008, não surgiu nenhum tratamento para a causa do que é conhecido como a paralisia cerebral infantil. "Em sua desesperada situação, os pais pesquisaram a literatura de terapias alternativas. Eles nos contactou e perguntou sobre as possibilidades de utilização do sangue do cordão umbilical do seu filho, congelado no seu nascimento", explica Jensen.

Nove semanas após o dano cerebral, em 27 de janeiro de 2009, os médicos administraram o sangue preparado por via intravenosa. Estudaram o progresso da recuperação em 2, 5, 12, 24, 30 e 40 meses após o procedimento.

Normalmente, as chances de sobrevivência depois de tal dano cerebral grave e mais de 25 minutos de duração da reanimação são 6%. Meses após o dano cerebral grave, as crianças sobreviventes normalmente só apresentam sinais mínimos de consciência.

Recuperação rápida

Após a terapia de sangue do cordão umbilical, o paciente, no entanto, se recuperou de maneira relativamente rápida.

Dentro de dois meses, a espasticidade diminuiu significativamente. Ele foi capaz de ver, sentar, sorrir e pronunciar palavras simples de novo.

Quarenta meses após o tratamento, a criança era capaz de comer de forma independente, andar com ajuda e formar frases de quatro palavras. "É claro que, com base nestes resultados, não podemos dizer claramente qual a causa da recuperação. É, no entanto, muito difícil explicar estes efeitos notáveis por tratamento puramente sintomático durante a reabilitação ativa", observa Jensen.

Em estudos em animais, os cientistas têm pesquisado o potencial terapêutico do sangue do cordão umbilical durante algum tempo. Em uma pesquisa anterior com ratos, os investigadores revelaram que as células de sangue do cordão migram para a área danificada do cérebro em grandes números dentro de 24 horas após a administração.

Veja mais detalhes sobre esta pesquisa (em inglês).

Fonte: Isaude.net