Ciência e Tecnologia
14.05.2013

Medicamento sintético retarda aparecimento da doença de Alzheimer

J147, testado em ratos idosos, reverte déficit de memória e pode abrir caminho para tratamento da doença em humanos

Photo: Courtesy of the Salk Institute for Biological Studies
Marguerite Prior, autora da pesquisa, no Laboratório de Neurobiologia Celular do Salk
Marguerite Prior, autora da pesquisa, no Laboratório de Neurobiologia Celular do Salk

Uma droga desenvolvida por cientistas do Salk Institute for Biological Studies, nos EUA, reverte os déficits de memória e retarda a doença de Alzheimer em ratos idosos após o tratamento de curto prazo.

Os resultados da droga J147 podem abrir caminho para um novo tratamento para a doença de Alzheimer em humanos.

"J147 é um novo composto emocionante, porque realmente tem um forte potencial para ser terapêutico para a doença de Alzheimer, diminuindo a progressão da doença e revertendo os déficits de memória após o tratamento de curto prazo", afirma a autora do estudo Marguerite Prior.

O estudo foi publicado na revista Alzheimer's Research and Therapy.

Apesar de anos de pesquisa, não há drogas modificadoras da doença de Alzheimer. Atuais medicamentos aprovados, incluindo Aricept, Razadyne e Exelon, oferecem benefícios apenas de curto prazo para doentes de Alzheimer, mas eles não fazem nada para diminuir o declínio irreversível e constante da função cerebral que apaga a memória de uma pessoa e a capacidade de pensar com clareza.

J147 foi desenvolvida no laboratório de David Schubert. Ele e seus colegas contrariaram a tendência na indústria farmacêutica, que tem incidido sobre as vias biológicas envolvidas na formação de placas amiloides, depósitos densos de proteínas que caracterizam a doença.

Em vez disso, a equipe utilizou neurônios vivos cultivados em laboratório para testar se os novos compostos sintéticos, que são baseados em produtos naturais derivados de plantas, foram eficazes na proteção das células cerebrais contra diversas patologias associadas ao envelhecimento cerebral.

A partir dos resultados com o composto de chumbo, eles foram capazes de alterar suas estruturas químicas para torna-lo muito mais potente. Embora J147 pareça ser segura em camundongos, o próximo passo exigirá ensaios clínicos para determinar se o composto provará seguro e eficaz em seres humanos.

"Pesquisas sobre a doença de Alzheimer têm sido tradicionalmente focadas em um único alvo, a via amiloide, mas, infelizmente, as drogas que têm sido desenvolvidas através desta via não têm tido sucesso em ensaios clínicos. Nossa abordagem baseia-se nas patologias relacionadas com a velhice, o maior fator de risco para a doença de Alzheimer e outras doenças neurodegenerativas, ao invés de apenas as especificidades da doença", afirma Schubert.

Para testar a eficácia do J147 em um modelo pré-clínico muito mais rigoroso de Alzheimer, a equipe tratou ratos usando uma estratégia terapêutica que reflete com mais precisão a fase sintomática humana da doença de Alzheimer.

Administrada na alimentação de ratos geneticamente modificados com 20 meses de idade, fase em que a patologia de Alzheimer é avançada, a droga J147 resgatou a severa perda de memória, reduziu os níveis solúveis de amiloide, e aumentou os fatores neurotróficos essenciais para a memória, depois de apenas três meses de tratamento.

Em um experimento diferente, os cientistas testaram J147 diretamente contra Aricept, a droga de Alzheimer mais amplamente prescrita, e descobriram que o novo composto se saiu tão bem ou melhor em vários testes de memória.

Segundo os pesquisadores, vários processos celulares conhecidos por estarem associados com a patologia de Alzheimer são afetados por J147, incluindo aumento em uma proteína chamada cérebro fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF), que protege os neurônios de insultos tóxicos, ajuda novos neurônios a crescerem e se conectarem com outras células cerebrais, e está envolvido na formação da memória.

Por causa da sua ampla capacidade de proteger as células nervosas, os investigadores acreditam que J147 também pode ser eficaz para o tratamento de outras desordens neurológicas, tais como a Parkinson, doença de Huntington e esclerose lateral amiotrófica (ELA), assim como acidente vascular cerebral.

A equipe afirma que J147, com suas propriedades neuroprotetoras sobre a memória, juntamente com a segurança e disponibilidade como medicamento oral, é um "candidato ideal" para ensaios clínicos da doença de Alzheimer. Eles estão à procura de financiamento para esses testes.

Fonte: Isaude.net