Foto Saúde
10.05.2013

Criança recebe fígado de mãe adotiva em hospital do Rio de Janeiro

Família biológica não era compatível. Tutora da criança descobriu que tem o mesmo tipo sanguíneo e pôde doar o órgão

Foto: Alessandra Coelho/Secom RJ
Rosileia Ornela e o pequeno Lucas Nascimento Cavalcanti, de 1 ano e meio
Rosileia Ornela e o pequeno Lucas Nascimento Cavalcanti, de 1 ano e meio

A costureira Rosiléia Ornela e o pequeno Lucas Nascimento Cavalcanti, de um ano e meio, passarão seu primeiro dia das mães juntos se recuperando de uma cirurgia de alta complexidade. Tutora do menino há quase um ano, Rosiléia doou parte do fígado a Lucas, embora não seja sua mãe biológica. Esta foi a quarta cirurgia de transplante realizada pelo Hospital Estadual da Criança do Rio de Janeiro.

Lucas apareceu na vida de Rosiléia quando tinha apenas 7 meses. A costureira entrou no programa Família Acolhedora com o objetivo de adotar uma menina de 6 anos. Porém, Rosiléia sensibilizou-se com um bebê franzino com sérios problemas de saúde e acabou ficando com Lucas. Com apenas 12 dias de convivência com a família de Rosiléia, o menino recebeu o diagnóstico de atresia das vias biliares, que resultou em uma cirrose hepática. O paciente precisava de um transplante de fígado.

Depois de entrar em contato com a família biológica de Lucas e de não obter sucesso nos testes de compatibilidade, Rosiléia descobriu que poderia doar parte do seu fígado, por conta do tipo sanguíneo. Foram dois meses de muitos exames até que a costureira recebesse autorização para o transplante. "Fiquei realizada. O importante era receber o " sim" do médico porque o tempo de vida dele estava acabando", afirmou Rosiléia. O procedimento duplo, que durou cerca de 12 horas, foi comandado pelo chefe de serviço de fígado da unidade, Dr. Lúcio Pacheco, na quarta-feira (8).

Inaugurado no dia 4 de março deste ano, o Hospital Estadual da Criança é a primeira unidade do Rio de Janeiro voltada para atendimento pediátrico referenciado. O hospital realiza cirurgias de média e alta complexidades, além do tratamento do câncer, em crianças de zero a 19 anos.

Em 28 de março, o hospital recebeu o credenciamento do Sistema Nacional de Transplantes. Desde então, um procedimento de rim e três de fígado já foram realizados. No primeiro, o menino Natan recebeu parte do órgão de seu pai, Ubiratan Tonaso.

No último dia 17, foi realizado o segundo transplante de fígado na unidade. Mirian Conceição do Nascimento doou parte do órgão à filha, Milena Flávia do Nascimento, de 2 anos e 4 meses, após uma espera de quase dois anos pelo procedimento. O menino Abraham Lincoln de Oliveira, de 11 anos, recebeu um rim captado pelo PET no dia 24 de abril, e se tornou o primeiro paciente a passar por um transplante renal no Hospital.

Fonte: Isaude.net