Geral
01.05.2013

Dieta mediterrânea reduz risco de problemas de memória em 19%

Ingerir alimentos ricos em ácidos graxos ômega-3 e evitar gorduras e carnes melhora as habilidades de pensamento

Foto: SINC
Dieta mediterrânea está ligada à preservação da memória
Dieta mediterrânea está ligada à preservação da memória

Pesquisadores da Universidade do Alabama em Birmingham, nos EUA, descobriram que a dieta mediterrânea está ligada à preservação da memória.

O estudo indica que ingerir alimentos que contêm ácidos graxos ômega-3, como peixes, frango e salada, e evitar gorduras saturadas, carne e laticínios, melhora as habilidades de pensamento.

No entanto, a mesma associação não foi encontrada em pessoas com diabetes.

A pesquisa foi publicada na revista Neurology.

"Uma vez que não existem tratamentos definitivos para a maioria das doenças mentais, atividades modificáveis, como a dieta, que podem atrasar o aparecimento dos sintomas de demência, são muito importantes", afirma o pesquisador Georgios Tsivgoulis.

No estudo, o maior já feito sobre a dieta mediterrânica, informações dietéticas de 17.478 afro-americanos e caucasianos, com idade média de 64 anos, foram revisadas para avaliar a adesão à dieta mediterrânica.

Os participantes do estudo também foram submetidos a testes que mediram a memória e as habilidades de pensamento durante uma média de quatro anos. Um total de 17% dos participantes tinham diabetes.

O estudo constatou que, em pessoas saudáveis, aqueles que seguiram mais de perto a dieta mediterrânea eram 19% menos prováveis de desenvolver problemas com a memória e as habilidades de pensamento. Não houve uma diferença significativa na queda entre afro-americanos e caucasianos.

No entanto, a dieta mediterrânea não foi associada com um menor risco de problemas de pensamento e memória em pessoas com diabetes.

Fonte: Isaude.net