Geral
27.04.2013

Medicamento limita danos da radioterapia sobre coração e pulmões

Pesquisa pode levar ao uso de Captopril para proteger órgãos contra toxicidade e melhorar eficácia do tratamento anticâncer

Cientistas da Universidade de Groningen, na Holanda, descobriram que um medicamento muito utilizado no tratamento de doença cardiovascular reduz os danos causados ao coração e aso pulmões pela radioterapia.

A descoberta pode permitir utilizar o inibidor de ACE para proteger os órgãos contra a toxicidade da radioterapia e melhorar a eficácia do tratamento sobre as células cancerosas.

Cânceres comuns tais como da mama, esófago, pulmão e linfoma de Hodgkin são frequentemente tratados com radioterapia, mas a dose de radiação que pode ser administrada com segurança é limitada pela sensibilidade do tecido pulmonar. O pulmão é um órgão sensível e estratégias para protegê-lo contra danos da radioterapia, além de limitar a dose administrada e, a eficácia do tratamento, são poucas.

A pesquisadora Sonja Van der Veen e seus colegas estabeleceram um estudo para verificar se a utilização de um inibidor de ACE pode proteger contra a toxicidade pulmonar precoce induzida por radiação (RILT).

Estudos anteriores tinham demonstrado que os danos aos vasos sanguíneos podem desempenhar um papel importante no desenvolvimento de RILT.

Os pesquisadores irradiaram pulmões ou coração, ou pulmões e coração de ratos e administraram o inibidor de ACE Captopril, imediatamente após o tratamento.

As funções do pulmão dos ratos foram medidas em intervalos de duas semanas.

"Após oito semanas, quando a toxicidade pulmonar precoce é geralmente elevada, descobrimos que o captopril melhorou o coração dos ratos e as funções pulmonares, mas ficamos surpresos ao descobrir que isso só ocorreu quando o coração foi incluído no campo de irradiação. Isto não foi devido à proteção dos vasos sanguíneos pulmonares, os quais foram igualmente danificados, com ou sem o captopril. Portanto, verificamos que o tratamento com captopril melhorou a função do coração e diminuiu o nível de fibrose no coração logo após a irradiação. Assim estes novos resultados mostram que o inibidor de ACE diminui RILT reduzindo danos cardíacos agudos diretos", explica Van der Veen.

A irradiação do coração leva ao desenvolvimento de fibrose, que endurece o órgão, e iste por sua vez leva a problemas no relaxamento do ventrículo esquerdo. Devido a isto, o fluxo de sangue dos pulmões para o coração é impedido, e isto pode causar danos pulmonares. No entanto, após o tratamento com captopril, os pesquisadores observaram uma melhora no relaxamento ventricular nos corações irradiados.

Van der Veen e seus colegas estão agora projetando um ensaio clínico no qual pacientes que são tratados com radiação na área torácica, incluindo coração, serão tratados com um inibidor de ACE ou um placebo, após irradiação.

"Acreditamos que nossos resultados sugerem uma estratégia promissora para proteger os pacientes de danos da radiação e melhorar sua qualidade de vida, ao mesmo tempo, permitindo-lhes receber uma dose suficientemente elevada para assegurar um tratamento eficaz do câncer", conclui Van der Veen.

Fonte: Isaude.net