Geral
03.04.2013

Governo insiste em falta de médicos no país, associações de medicina rebatem

Entidades médicas contestaram o argumento do governo e cobraram a política de interiorização durante ato no Congresso Nacional

Foto: Elza Fiuza/ABr
Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, participa de audiência pública conjunta das comissões de Seguridade Social e Família; Fiscalização Financeira e Controle e de Defesa do Consumidor
Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, participa de audiência pública conjunta das comissões de Seguridade Social e Família; Fiscalização Financeira e Controle e de Defesa do Consumidor

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, voltou a afirmar nesta quarta (3) que faltam médicos no país. Segundo ele, a taxa de profissionais para cada mil habitantes, no Brasil, chega a 1,8. Na Argentina, esse índice é 3,2; em Portugal, 3,9 e na Espanha, 4.Ontem, entidades médicas rebateram o argumento do governo de que faltam profissionais da área no país. Durante ato no Congresso Nacional, eles cobraram o que chamam de política de interiorização da saúde pública para que haja uma redistribuição dos médicos já em atuação.

Hoje (3), durante audiência pública na Câmara dos Deputados, Padilha defendeu as medidas anunciadas, em parceria com o Ministério da Educação, que incluem o estímulo à entrada, no sistema de saúde brasileiro, de médicos com formação no exterior e a abertura de vagas de cursos de medicina em locais onde há carência de profissionais.

" Não é verdade que não faltam médicos no Brasil" , disse. " O Brasil tem uma quantidade que está aquém de outros sistemas nacionais públicos" , ressaltou o ministro.

Segundo ele, 25,9% dos médicos que atendem a população norte-americana, por exemplo, não são formados nos Estados Unidos. Na Inglaterra, o índice chega a 37%; na Austrália, 22,8%; no Canadá, 17,9%; e no Brasil, 1,8%.

" Querer dizer que esse debate pode significar uma queda de qualidade não é compatível ao que acontece em outros países do mundo. Se queremos oferecer saúde pública universal gratuita, temos que ampliar o patamar de médicos e aumentar vagas" ,disse o ministro.

Padilha lembrou ainda que a expansão dos serviços de saúde brasileiros, nos últimos anos, possibilitou um mercado de contratação formal cada vez maior, mas que o número de profissionais formados não acompanhou a demanda.

Dados indicam que, de 2003 a 2011, o país formou 93 mil médicos. No mesmo período, foram 146,8 mil admissões de primeiro emprego na medicina.

" O Brasil tem poucos médicos e muito mal distribuídos. O Maranhão tem 0,6 médico por mil habitantes e Brasília tem 6. O número de vagas de medicina também é mal distribuído" , destacou.

Fonte: Isaude.net