Ciência e Tecnologia
01.04.2013

Equipe dos EUA cria baço artificial para tratar infecções da corrente sanguínea

Aparelho será usado para eliminar bactérias, vírus e toxinas do sangue e melhorar o tratamento da sepse

Foto: Wyss Institute
Dispositivo será usado para tratar infecções da corrente sanguínea em pacientes criticamente enfermos e soldados feridos em combate
Dispositivo será usado para tratar infecções da corrente sanguínea em pacientes criticamente enfermos e soldados feridos em combate

Pesquisadores do Wyss Institute for Biologically Inspired Engineering, da Universidade de Harvard, nos EUA, desenvolveram um dispositivo que melhora a limpeza do sangue.

O aparelho será usado para tratar infecções da corrente sanguínea que são a principal causa de morte em pacientes criticamente doentes e soldados feridos em combate.

Para rapidamente limpar agentes patogênicos, o sangue do paciente é misturado com nanopérolas magnéticas revestidas com uma versão geneticamente modificada da proteína humana 'opsonina' que se liga a uma grande variedade de bactérias, fungos, vírus, parasitas e toxinas.

Essas pérolas então fluem por meio de microcanais para o dispositivo onde as forças magnéticas puxam os patógenos sem necessidade de remover células sanguíneas humanas, proteínas, líquidos ou eletrólitos, muito parecido com o que um baço humano faz. O sangue purificado então flui de volta para o paciente.

"Em poucos anos, temos sido capazes de desenvolver um conjunto de novas tecnologias, e integrá-las para criar um dispositivo novo e poderoso que poderia transformar a maneira como tratamos a sepse. O apoio contínuo da Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA) nos permite avançar nossas capacidades de fabricação de dispositivos e obter a validação de modelos animais de grande porte, o que é necessário para permitir que essa mova para testes em seres humanos", afirma o líder do projeto Don Ingber.

Fonte: Isaude.net