Geral
01.04.2013

Toxinas presentes em produtos de origem vegetal causam danos ao DNA

Aromatizante de fumaça líquida, chás preto e verde e café alteram DNA de forma semelhante a medicamento quimioterápico

Foto: Valentyn Volkov/Stock Photo
Café pode ativar o gene p53 ligado ao câncer
Café pode ativar o gene p53 ligado ao câncer

Pesquisadores do Johns Hopkins Kimmel Cancer Center, nos EUA, descobriram que toxinas presentes em alimentos e produtos à base de plantas causam danos no DNA das células de forma semelhante a medicamentos de quimioterapia.

O estudo mostrou que o aromatizante de fumaça líquida, chás preto e verde e café ativam os mais altos níveis do gene p53, conhecido por ser ligado ao câncer.

O gene p53 torna-se ativado quando o DNA é danificado. O seu produto genético produz as proteínas de reparação do DNA. Quanto maior o nível de danos no DNA, mais p53 é ativado.

"Nós não sabemos muito sobre os alimentos que comemos e como eles afetam as células em nossos corpos. Mas é claro que as plantas contêm muitos compostos que são destinados a deter os seres humanos e animais de comê-las, como celulose no caule e gosto amargo em folhas e grãos que usamos para fazer chás e cafés, e seu impacto deve ser avaliado", afirma o pesquisador Scott Kern.

Kern adverte que seus estudos não sugerem que as pessoas devem parar de usar chá, café ou aromas, mas indicam a necessidade de mais pesquisas.

O estudo começou há um ano quando o estudante Samuel Gilbert, que trabalha no laboratório de Kern, observou que um teste desenvolvido para detectar a atividade de p53 nunca tinha sido usado para identificar substâncias nocivas ao DNA nos alimentos.

Por meio do teste de atividade de p53, que produz um composto fluorescente que "brilha" quando p53 é ativado, os cientistas misturaram e diluíram produtos alimentares e aromas com células humanas, e os cultivaram em laboratório durante 18 horas.

Medindo e comparando a atividade de p53 com níveis basais, os cientistas descobriram que o aromatizante de fumo líquido, chás preto e verde e café causaram aumento de 30 vezes na atividade de p53, o que foi comparável a aumentos causados por um medicamento de quimioterapia chamado etoposido.

Estudos anteriores mostraram que o aromatizante de fumo líquido causa danos no DNA de modelos animais. Kern e seus colegas analisaram a atividade de p53 desencadeada pelas substâncias químicas encontradas no fumo do líquido.

A atividade mais forte de p53 foi encontrada em dois produtos químicos: ácido gálico e pirogalol. Pirogalol, comumente encontrado em alimentos defumados, também é encontrado na fumaça do cigarro, tintura de cabelo, chá, café, casca do pão, pó de malte torrado e cacau, de acordo com Kern. Ácido gálico, uma variante do pirogalol, é encontrada em chás e cafés.

Segundo Kern, mais estudos são necessários para analisar o tipo de dano ao DNA causado por pirogalol e ácido gálico, mas poderia haver maneiras de remover os dois produtos químicos de alimentos e aromatizantes. "Descobrimos que o uísque escocês, que tem um sabor esfumaçado e poderia ser um substituto para o fumo líquido, teve um efeito mínimo sobre a atividade da p53 em nossos testes", conclui Kern.

Fonte: Isaude.net